Tercerizados do HU entram em greve por não receber parte do 13º e salário

Foto Divulgação

O Hospital Universitário (HU) em Campo Grande está com atividades prejudicadas devido a paralisação das atividades de dezenas de funcionários que são terceirizados da empresa Máximus. Eles iniciaram ontem (9) uma paralisação devido a falta de pagamento de diversos salários, que vem sendo devido a meses aos trabalhadores. O atraso salarial ou de recursos devidos é longo, onde a categoria vem sofrendo e trabalhou sem receber, os salários de dezembro, que deveriam ter sido pagos nesta semana, como ainda não houve o pagamento da segunda parcela do 13º salário e há falta de pagamento dos feriados trabalhados em setembro, outubro e novembro.

Os funcionários terceirizados da Máximus são do setor de nutrição, banco de leite, laboratório e maqueiros. Mas, ainda cerca de 130 funcionários estão trabalhando com 30% do efetivo. A Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares), que gerencia o HU, informou que está em contato com a Máximus para que ela resolva a situação.

O vice-presidente do Steac-MS (Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Asseio e Conservação de MS), Ton Jean Ramalho Ferreira, disse que os funcionários da Máximus ainda apontam que, em um ano de contrato com a empresa, eles receberam em dia em apenas dois meses e que o salário já ficou 15 dias atrasado. “Eles recebem da União R$ 376 mil por mês para efetuar o pagamento dos 130 funcionários. O HU tem outros funcionários terceirizados de outras duas empresas e o deles não atrasa. Mesmo que a União atrase o pagamento, as outras empresas têm caixa para honrar com os funcionários”, disse.

A greve vai acabar depois que os funcionário receberem o que tem direito. O prometido é que o pagamento aconteça na quarta-feira (11).

Comentários

comentários