Tem ou pretende ter seguro veicular? Saiba como proceder caso precise dele

Milton Rodrigues, Segurador. (Foto: Paulo Francis)
Milton Rodrigues, Segurador. (Foto: Paulo Francis)

O ex-presidente Estadual do Sindicato dos corretores de Seguro de Mato Grosso do Sul e proprietário de uma seguradora a 26 anos, Milton Rodrigues, esteve na tarde desta quarta-feira(14), nos estúdios da Página Brazil afim de esclarecer as duvidas referentes os benefícios que muitos usuários não sabem que existem quando tem uma apólice veicular.

 Milton destaca que o seguro veicular é feito através de uma empresa seguradora, de acordo com o perfil do motorista, o CEP de residencia, e fatores como a marca, modelo e ano de fabricação do veículo. De acordo com esses requisitos calcula-se um valor a ser pago para que esse cliente tenha a garantia do seu seguro por um prazo de 1 ano.

Feito isso fica garantida a a proteção do veículo contra colisão incêndio e roubo, alem do serviço de assistência 24h que a seguradora fornece aos segurados, tais como serviço de guincho, e socorro em casos de pane no automóvel. “Ao houver uma colisão entre veículos ou em caso de se envolver em um acidente é necessário primeiramente fazer o boletim de ocorrência, que é um documento publico, ao qual vai salvaguardar o interesse de quem provocou a colisão e do terceiro envolvido. Após isso o cliente deverá procurar a sua seguradora, fazer o seu aviso de sinistro para que a mesma lhe ofereça a reparação dos veículos em questão”, conta.

O proprietário da empresa explica que é muito importante que o proprietário nunca empreste seu veículo a outra pessoa, porem caso isso ocorra e a pessoa em questão se envolva em um acidente, terá a cobertura garantida caso cumpra alguns requisitos e de acordo com a seguradora contratada. “Se a caso não for o proprietário do veículo que estiver dirigindo em uma situação de acidente, ele terá o direito ao seguro desde que seja habilitado, mas quando se faz o seguro dependendo da seguradora tem como colocar os condutores relacionados, e o nome da pessoa deve constar na apólice, alem de o real proprietário ter que explicar de o porque dar o veículo pra um terceiro dirigir”, diz.

Milton frisa que há mais de 140 seguradoras no pais, sendo que cada uma tem seu modo particular de operar. Ele diz que é de suma importância que o segurado esteja sempre ligado ao seu corretor para que em algum caso inesperado possa contar com o mesmo sobre as orientações para tomar as providencias cabíveis que o assunto requer.

Paulo Francis

Comentários

comentários