Tata Martino renuncia ao comando da seleção argentina após Copa América

Após o traumático vice-campeonato na Copa América Centenário, há mais de uma semana, Tata Martino decidiu deixar o comando da seleção argentina. Em comunicado, a Associação de Futebol Argentino (AFA) confirmou que o treinador entregou o cargo nesta terça-feira, intensificando a crise institucional. A decisão de Martino teria sido comunicada depois de uma reunião com Chiqui Tapia, vice-presidente da AFA, que estava no comando da federação por conta da saída do presidente Luis Segura.

Tata Martino deixa o comando da seleção argentina após quase dois anos (Foto: AFP)
Tata Martino deixa o comando da seleção argentina após quase dois anos (Foto: AFP)

Sua saída ocorre depois de a AFA confirmar sua permanência no cargo, inclusive no comando da equipe sub-23 que disputará a Olimpíada no Rio de Janeiro, no mês que vem. A seleção olímpica, inclusive, foi o estopim para a decisão do treinador, uma vez que apenas seis nomes estavam confirmados, segundo o “Olé”: Rulli (Real Sociedad), Gómez (Lanús), Martínez (Unión), Espinoza (Villarreal), Lo Celso (PSG) e Correa (Atlético de Madrid).

– Devido à indefinição na designação de novas autoridades da Associação de Futebol Argentino e os graves inconvenientes para conseguir formar a equipe para representar o país nos próximos Jogos Olímpicos, a comissão técnica da seleção decidiu apresentar sua renúncia nesta data – diz comunicado divulgado pela AFA.

Esta teria sido apenas a gota d’água para sua saída. Diversos problemas envolvendo a seleção estariam incomodando o treinador, que não recebia salário há nove meses. Outro fator que teria pesado seria a chance de haver uma debandada dos astros da equipe, a começar por Messi – que declarou logo depois da final da Copa América que não pretende mais jogar pela seleção. Agüero, Mascherano, Banega, Biglia, Lavezzi, Di María e outros poderiam seguir seus passos.

Contratado para substituir Alejandro Sabella após a Copa do Mundo de 2014, Tata Martino termina sua passagem na Argentina com 29 jogos. Venceu 19, empatou sete e perdeu apenas três, com 66 gols pró e 18 contra. Seus maiores feitos foram levar a seleção a duas finais consecutivas da Copa América, mas que terminaram em vice-campeonatos para o Chile nos pênaltis. Nas eliminatórias para o Mundial da Rússia, a equipe ocupa a terceira posição após seis rodadas, com dois pontos a menos que Uruguai e Equador.

Em crise, a AFA ganhou os noticiários no fim do mês passado, depois que o governo argentino decidiu intervir no processo eleitoral para a presidência da entidade – por conta de uma investigação sobre desvio de recursos do programa do governo de apoio ao futebol no país. A eleição, que deveria ocorrer no último dia 30, definiria o substituto de Luis Segura, que renunciou ao cargo de presidente dias antes do fim do mandato, na semana passada.

PARTICIPAÇÃO NA OLIMPÍADA SOB RISCO

O presidente do Comitê Olímpico da Argentina, Gerardo Werthein, colocou em dúvida a participação da seleção no torneio de futebol dos Jogos do Rio. Ele criticou duramente a AFA, a quem atribuiu a responsabilidade pela não-liberação dos atletas – já que os clubes têm direito a vetar a participação de seus atletas, já que não se trata de um evento em “data Fifa”.

– Há 50% de chances que a seleção argentina não envie um time para os Jogos Olímpicos. A AFA não se impõe, não toma decisões. É uma AFA muda – disse Werthein à “Rádio Mitre”.

Werthein, na mesma entrevista, tentou amenizar a situação.

– A Argentina definitivamente terá um time (nos Jogos), algo que não aconteceria se deixasse tudo nas mãos da AFA. O futebol é uma representação muito importante para o país, e é uma vergonha que hoje não possamos formar um time para competir no Rio – afirmou Werthein.

O torneio de futebol da Olimpíada começa no dia 3 de agosto. A estreia argentina está marcada para daqui a exatamente um mês, no dia 4, diante de Portugal, no Engenhão, no Rio de Janeiro.

Comentários

comentários