Suposta pivô de ciúme de Ivete já agrediu delegada em Salvador

A polêmica com Ivete Sangalo não foi a primeira confusão em que a baiana Carla Verde se envolveu. Em 2010, a mulher foi denunciada pelo Ministério Público da Bahia por lesão corporal e desacato após ter agredido uma delegada durante audiência de conciliação entre ela e o ex-marido, ocorrida em 2003. No entanto, teve as penas prescritas, pois se passaram mais de quatro anos entre o recebimento da denúncia pela Justiça e o julgamento do caso.

- Foto: Reprodução facebook
– Foto: Reprodução facebook

O incidente ocorreu no dia 10 de março de 2003, na Delegacia de Pau da Lima, bairro da capital baiana. Na época, Carla tinha 23 anos e era estudante universitária. A vítima foi Mary Anete Celestino Araújo Peixoto, então delegada-titular da DP, que presidia a audiência entre o ex-casal. Conforme consta no processo, Carla “agrediu, física e verbalmente, a delegada (…) desferindo-lhe chutes e pontapés, além de lesioná-la com as unhas”.

— A agressão ocorreu dentro da minha sala. Ela foi acusada pelo ex-marido eu estava tentando solucionar a situação entre eles antes de abrir um procedimento investigatório. Porém, ela não gostou de alguma atitude minha, e me agrediu. Fiquei com as marcas das unhas no braço. Só não fiquei mais machucada porque os policiais intervieram — relembra a delegada Mary Anete ao EXTRA, acrescentando que autuou a mulher em flagrante após o ataque.

A denúncia do Ministério Público contra Carla foi recebida pela 1ª Vara Especializada Criminal de Salvador no dia 3 de outubro de 2005. Porém, o julgamento só foi realizado em 2010, pela juíza Ivone Bessa Ramos, que absolveu a baiana. As penas máximas para os crimes de lesão corporal e de desacato são de um e dois anos de detenção, respectivamente.

15 minutos de fama

Carla Verde, de 36 anos, jura aos pés do Senhor do Bonfim que foi ela o pivô da bronca que Ivete Sangalo deu no marido, Daniel Cady, na primeira noite do ano, durante um show em Guarajuba, no litoral baiano. “Eu nem sabia que ele era marido dela. Era um papo sem segundas intenções, falamos do calor, da lotação do show e quando vejo ela estava falando aquilo no palco”, contou a moça, que não levou celular, não tem canhoto do ingresso e sequer a pulseirinha que a colocaria entre os vips do camarote onde o senhor Sangalo ficou.

Carla contou que logo após a “crise de ciúme” de Ivete, ela decidiu ir embora do local. “Temi pela minha integridade. Cheio de fãs dela lá. Achei violento e fora de propósito aquilo. Se eu quisesse dar papo, ia render com ele. Sou bonita, chamo atenção. Se Joelma foi traída bem debaixo do nariz dela, e até Gisele Bündchen, por que Ivete não seria?”, questionou sem medo: “Sou fã da Ivete, fui assisti-la. Não esperava ser tratada daquela maneira”.

Com cabelos até a cintura e corpo torneado, Carla não titubeou em dizer que se pintasse um convite, posaria para uma revista masculina. “Se fosse ajudar a arrumar a minha vida, posaria nua. Tenho corpo para isso”

EXTRA

Comentários

comentários