Superintendente de Vigilância de Saúde faz alerta a população no combate ao Aedes

Angela Lopes, Superintendente de Vigilância em Saúde. (Foto: Paulo Francis)
Angela Lopes, Superintendente de Vigilância em Saúde. (Foto: Paulo Francis)

O Mato Grosso do Sul teve em 2016 a maior incidência de casos de Dengue no Brasil, o estado vêm notificando e trabalhando com informações atualizadas em tempo real, são aproximadamente 682,4 casos a cada 100 mil habitantes. Somente nas primeiras três semanas do ano o Estado registrou mais de 4 mil casos da doença.

O mosquito Aedes aegypti transmissor do vírus da Dengue, Chikungunya e da Zika, traz um problema maior, porque a contaminação pelo Zika vírus está relacionado a uma série de casos de microcefalia.

A Superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde, Dra. Angela Cunha Castro Lopes, explicou na tarde desta terça-feira (16), que no último dia 13 ocorreu uma Mobilização Nacional, com a participação do Exército, Marinha e Aeronáutica, ainda, com a presença do Ministro dos Esportes George Hilton, da Vice-Governadora Rose Modesto, Secretário de Estado de Saúde Dr. Nelson Tavares, Prefeito de Campo Grande Alcides Bernal, entre outros. Mas ressaltou que Mato Grosso do Sul já estava executando ações de combate ao Aedes.

“Foi criado um Plano Emergencial de combate ao Aedes aegypti  com slogan “ Guerra contra o mosquito”. Desenvolvemos ações efetivas, criamos uma sala de situação que nos permite acompanhar todas as ações que está acontecendo nos municípios com transmissão de dados em tempo real”. Afirma.

Angela destaca que toda a população deve estar envolvida nessa mobilização, pois de acordo com dados, 86% dos focos do mosquito Aedes aegypti estão dentro dos imóveis.

“Com a disseminação do vírus da Zika estamos observando uma tragédia na Saúde Pública, e a responsabilidade não é só da esfera pública, mas de todo cidadão. Se não houver uma mobilização efetiva e a mudança de comportamento da sociedade, não iremos conseguir combater os criadouros do Aedes Aegypti”, explica.

Visto ao Estado de Emergência em Saúde Pública Internacional em que nos encontramos a Superintendente conclama a toda a população para que não jogue resíduos sólidos (lixo), descartáveis, pneus nos terrenos baldios e que cuidem das calhas, caixas d’agua e vasos de plantas. Cada um deve fazer a sua parte!

“As ações são simples, se cada um cuidar e deixar o seu ambiente limpo nos livraremos mais rapidamente, desses focos”, finaliza.

Paulo Francis

Comentários

comentários