Servidores da Santa Casa iniciam ‘operação tartaruga’ e pedem reajuste salarial

whatsapp-image-2016-09-27-at-10-28-39
Servidores da Santa Casa iniciaram a assembleia no pátio do hospital (Foto: Ivan Silva)

Na manhã de hoje (27) teve início a paralisação dos profissionais da Santa Casa de Campo Grande. O foco é dado aos trabalhadores do setor de enfermagem, mas os servidores de outras áreas também aderiram ao protesto. A mobilização é por reajuste salarial de 11,30%. Os funcionários realizam a ‘operação tartaruga’, com paralisação de 70% dos profissionais de 3 em 3 horas nos seguintes horários: 7h às 10h, 12h30 às 15h30 e 18h às 21h, revezando entre os setores. Na paralisação da manhã estavam os servidores da enfermagem, administrativo e higienização.

O presidente do SIEMS (Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul), Lázaro Santana, explica que inicialmente a Santa Casa negava-se a conceder aumento, mas recentemente apresentou o índice de 9,83%, no entanto a proposta foi rejeitada pela categoria devido às condições apresentadas.

Após a reunião os trabalhadores aguardam uma decisão dos representantes do hospital (Foto: Ivan Silva)
Após a reunião os trabalhadores aguardam uma decisão dos representantes do hospital (Foto: Ivan Silva)

“Da forma que foi proposto o aumento só passaria a ser incorporado aos salários em janeiro de 2017, sem retroatividade à data-base da categoria que é 1º de maio, ou seja, seriam 7 meses de perdas salariais. Além disso, o reajuste estaria condicionado à renovação do contrato entre a prefeitura de Campo Grande e o hospital, assim, sem a contratualização os profissionais perderiam o aumento. Os trabalhadores não aceitam correr este risco”, explica Lázaro Santana.

Ainda segundo Lázaro Santana, os trabalhadores querem uma resposta da administração do hospital, caso isto não ocorra o sindicato irá declarar greve geral dos funcionários da Santa Casa de Campo Grande. “Nosso objetivo aqui é retomar a discussão sobre o reajuste e se isso não acontecer hoje ou amanhã faremos a greve sim”, conclui o presidente do sindicato.

Na assembleia da tarde, espera-se a presença de funcionários de mais setores (Foto: Ivan Silva)
Na assembleia da tarde, espera-se a presença de funcionários de mais setores (Foto: Ivan Silva)

Cerca de 200 funcionários estavam no local. Karen Roberto, do setor de higienização, conta que várias tentativas de negociação foram feitas, mas não tivera resposta da administração do hospital. “Desde junho estamos tentando esse reajuste. Tem que aumentar o salário da enfermagem, porque se aumenta o deles, o nosso romanticamente sobe também. A gente não quer o mau dos pacientes, mas também temos nossos direitos”.

O presidente do Sintesaúde/MS (Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde – MS), Osmar Gusse, que representa o setor administrativo, afirma que esta é a hora para todos funcionários se unir para protestar contras a atual administração. “ na hora da gente se unir, porque esse atual presidente está pisando na bola com todas as áreas do hospital”.

A paciente que aguardava atendimento no local, Paula Gomes (35), concorda com a paralisação, pois os servidores do hospital não paralisaram totalmente os atendimentos. “Eles estão certos, porque não pararam tudo e a gente que depende da Santa Casa não sai prejudicado”, completa Paula.

A administração da Santa Casa de Campo Grande foi procurada pelo PáginaBrazil, mas por meio de sua assessoria disse que se manifestará posteriormente.

 

 

 

 

Comentários

comentários