Seis imigrantes sírios são flagrados em condições de semi-escravidão

Auditores discais do Trabalho e a Superintendência da Polícia Federal flagraram nesta quinta-feira (28), Dia de Combate ao Trabalho Escravo, seis imigrantes sírios em condições de semiescravidão em Corumbá. Eles trabalham na construção civil e estavam em alojamento inadequado e sem condições de salubridade.

Trabalhadores da construção civil foram orientados pela Polícia (Foto: Divulgação/Assessoria)
Trabalhadores da construção civil foram orientados pela Polícia (Foto: Divulgação/Assessoria)

Eles estavam em residência sem condições mínimas de higiene, no município de Corumbá, a 417 km de Campo Grande.

Aos policiais, os imigrantes disseram que entraram no país pelo estado de São Paulo, onde receberam uma proposta de trabalharem no ramo na construção civil em Corumbá.
Os direitos trabalhistas dos imigrantes sírios, como registro em carteira e recolhimento do fundo de garantia, não estavam sendo cumpridos pela empresa, que será autuada.

A pena para o crime de redução a condição análoga à de escravo é de dois a oito anos de prisão, além de multa.

Em 2015, dez pessoas foram indiciadas pela mesma prática em Mato Grosso do Sul, onde a extensão territorial, a vocação rural e a área de fronteira facilitam o crime.

Local onde Sírios estavam vivendo (Foto: Divulgação/Assessoria)
Local onde Sírios estavam vivendo (Foto: Divulgação/Assessoria)

Para o delegado chefe da Delegacia de Defesa Institucional da Polícia Federal, Marcelo Alexandrino de Oliveira, o combate a esse tipo de prática é uma das prioridades.

“Esse é um crime que atinge não somente a liberdade, mas também a dignidade do indivíduo, e é uma das formas mais cruéis de violação dos direitos humanos”, declarou.

Os trabalhadores sírios foram levados para a delegacia, onde receberam orientações sobre direitos trabalhistas e a necessidade de regularizarem a situação migratória deles no país.

Comentários

comentários