São Paulo faz golaço no início, bate a Chape e vira líder do Brasileiro

Souza marcou logo aos cinco minutos de jogo em chute de fora da área e decretou o triunfo que garantiu ao Tricolor o direito de dormir na ponta da tabela

O acaso e o trabalho são fatores que em boa parte das vezes decidem uma partida de futebol. O segundo pode minimizar o primeiro. Em outros casos, o primeiro destrói o segundo. Mas há situações em que eles caminham de mãos dadas. Como neste sábado, na vitória por 1 a 0 do São Paulo sobre a Chapecoense, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, em Chapecó. Um triunfo que deixou os paulistas na liderança do Nacional, com 16 pontos ganhos e premiou a segunda semana do técnico colombiano Juan Carlos Osorio.

Foto globoesporte.com
Foto globoesporte.com

O São Paulo de Osorio precisou de apenas cinco minutos para fazer o gol que decidiu o jogo. Gol não, golaço. Um chute de fora da área do volante Souza, que não possui tais características e não havia marcado dessa forma nas outras cinco vezes em que balançou redes pelo Tricolor. Uma bola no ângulo do goleiro Danilo. Um acaso.

Um gol relâmpago costuma interferir drasticamente no andamento da partida. Aí entra o trabalho. A partir de então, o São Paulo optou por tentar resistir ao bom time da Chape, que havia vencido os três jogos em casa no Brasileiro. Osorio apostou nas suas convicções estudadas durante a semana e voltou para casa com a primeira vitória do Tricolor fora de casa – havia perdido para a Ponte Preta e empatado com o Internacional.

As investidas da Chapecoense partiram de jogadas que Osorio destrinchou durante a semana. Lançamentos para os laterais Apodi, na direita, e Dener, na esquerda. No primeiro tempo, foi justamente uma escapada de Dener com conclusão de Edmilson a chance mais clara de gol dos donos da casa. Um susto para Rogério Ceni, que depois teve tranquilidade.

Chamou atenção a postura do Tricolor. Armado no 4-1-4-1. Com dois laterais esquerdos, Reinaldo fixo e Carlinhos na segunda linha de quatro, time foi precavido e respeitou muito a Chapecoense, que estava 100% jogando em seu estádio. Uma cautela interessante de um treinador cujo trabalho está engatinhando no Brasil. Isso é trabalho, é respeito.

Acaso foi o São Paulo perder justamente seus dois laterais por problemas musculares, ambos no segundo tempo. Primeiro foi Reinaldo, que deu lugar a Pato. Carlinhos passou à lateral. Depois, Carlinhos também sentiu. Auro entrou. Michel Bstos terminou o jogo na lateral, mas o São Paulo manteve a posição de destruir as tentativas do rival e se deu bem.

É bom que se diga que essa postura também deixou o São Paulo em apuros algumas vezes, mas a partida não fugiu do controle. Luis Fabiano, em muitas vezes, também ficou isolado no ataque, a favor de um time mais combativo no meio de campo. O Tricolor fez muitas faltas. Fabuloso foi brigador. Tem muito mérito.

Com a vitória, Osorio ganha mais tranquilidade para seguir no seu bom início de trabalho. Os jogadores certamente passarão a aceitar mais a filosofia. Já Vinicius Eutrópio, da Chape, precisará juntar os cacos. A derrota em casa fatalmente aconteceria em algum momento. A proposta de jogo, porém, é boa.

FICHA TÉCNICA CHAPECOENSE 0 X 1 SÃO PAULO

Local: Arena Condá, Chapecó (SC)
Data/hora: 13/06, às 16h30 (de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio – GO (FIFA)
Assistentes: Cristhian Passos Sorence (GO) e Bruno Raphael Pires (GO)
Cartões amarelos: Ananias e Gil (CHA), Luis Fabiano, Bruno, Hudson e Thiago Mendes (SAO)
Público/ Renda: 8.712 público total / R$ 197.665,00
Gol: Souza 6’/1T (0-1);

CHAPECOENSE: Danilo; Apodi, Rafael Lima, Neto, Dener Assunção, Elicarlos (Bruno Rangel 37’/2T), Gil, Bruno Silva, Wagner (Camilo 11’/2T), Ananias (Maranhão 25’/2T) e Edmílson. Técnico: Vinícius Eutrópio.

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Bruno, Rafael Toloi, Dória, Reinaldo (Alexandre Pato 8’/2T), Hudson (Wesley 15’/2T), Souza, Thiago Mendes, Michel Bastos, Carlinhos (Auro 27’/2T) e Luis Fabiano. Técnico: Juan Carlos Osorio.

LANCEPRESS!

Comentários

comentários