Santa Casa segue com impasse nos contratos e busca acordo amanhã na Assembleia

Desde ontem (1/6) encontra-se encerrado o prazo da comissão do município e do Estado para avaliar os serviços de saúde prestados pela Santa Casa à população. Mesmo assim, até o momento o hospital não obteve um posicionamento de nenhum dos entes.

No dia 12 de maio, o presidente da ABCG Wilson Teslenco, o prefeito Gilmar Olarte e o secretário municipal de Saúde Jamal Salém assinaram o termo aditivo ao contrato de prestação de serviços provisório envolvendo a prefeitura e a Santa Casa. Na ocasião, ficou estabelecido que após o dia 31 de maio seria disponibilizado um relatório sobre o fluxo de atendimento no hospital, condição essencial para que o governo estadual pudesse definir o valor que poderá disponibilizar mensalmente para auxiliar o município a honrar com os compromissos assumidos com a Santa Casa.

Em dezembro de 2009 a Santa Casa renovou contrato com a prefeitura, que havia vencido em dezembro de 2014, sem qualquer reajuste nesse período. Antes de o contrato expirar, a direção do hospital tentou negociar com o município os novos valores, que são R$ 4 milhões a mais por mês para atualizar os custos de dezembro de 2012 a dezembro de 2014.

O valor desse novo contrato discutido com o município e o Estado é de R$ 21 milhões. O município alega que não pode arcar com a quantia sem a parceria do governo Estadual, que por sua vez pediu um tempo para analisar as contas da Santa Casa para então definir o quanto irá dispor para cobrir esse custo. O contrato venceu no dia 31 de maio.

Uma reunião está marcada para quarta-feira (3), às 11h na Assembleia Legislativa, no gabinete do presidente, com a Comissão de Saúde do Estado e do Município, e com a Câmara de Vereadores da Capital para que seja negociada a assinatura do um novo contrato.

“É importante frisar que a Santa Casa não é um hospital público, e sim uma instituição de saúde que presta serviços ao município e ao Estado. E como todo prestador de serviços, precisa receber por tudo aquilo que oferecer à população”, disse Wilson Teslenco.

Paulo Francis

Comentários

comentários