Rússia abre Confederações com vitória tranquila sobre Nova Zelândia

GE

Alguns dias antes da abertura da Copa das Confederações, Vladimir Putin mandou uma mensagem clara aos jogadores da Rússia: “Joguem como verdadeiros guerreiros”, pois a torcida “espera resultados melhores”. Neste sábado, o presidente compareceu à Arena Zenit e fez um discurso que inflamou o público. Deu certo.

Com o político na tribuna de honra ao lado de Pelé e Gianni Infantino, os atletas entenderam os recados. Após apenas três vitórias nos últimos 15 jogos e o fracasso na Eurocopa da França, a seleção de Stanislav Cherchesov recebeu apoio intenso dos torcedores, dominou a Nova Zelândia nos 90 minutos e venceu por 2 a 0, um placar até magro para a diferença em campo entre as duas equipes. Os “guerreiros” de Putin ganharam a primeira batalha no Grupo A.

PRIMEIRO TEMPO

Havia uma desconfiança em torno da qualidade do gramado, totalmente trocado em maio e até então nunca testado. A bola rolou sem problemas, e proporcionou à Rússia tomar conta do jogo. Naturalmente mais técnica, a seleção da casa terminou a partida com 18 finalizações, seis defendidas pelo goleiro Marinovic. O melhor momento dos russos foi no primeiro tempo, com boas participações de Golovin, Poloz, Smolov e Glushakov, envolvido no primeiro gol do torneio, aos 31 minutos – a Fifa creditou a Boxall, contra, que tentou afastar de carrinho e colocou para dentro. Putin gostava do que via.

SEGUNDO TEMPO

Os neozelandeses não conseguiram nem sonhar com um empate, pois suas melhores oportunidades vieram após o segundo gol da Rússia. Aos 24, Smolov fez toda a jogada, abriu para Samedov e apareceu na pequena área para completar. Akinfeev foi apenas notado na sequência, em finalização de Thomas, e Zhirkov tirou em cima da linha a cabeçada de Smith. Já era demais para os representantes da Oceania, que ainda escaparam de uma goleada com um par de gols perdidos dos russos no fim.

 

Comentários

comentários