Revista dos EUA fala que Teixeira recebeu 30 mi de euros por voto no Qatar

Segundo a revista norte-americana World Soccer, o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, recebeu 30 milhões de euros (R$ 105) em propinas para votar no Qatar para sede da Copa do Mundo de 2022. O valor teria sido descoberto a partir de uma investigação conjunta entre a polícia do Brasil e da Suíça.

Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF Rafael Andrade/Folha Imagem
Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF Rafael Andrade/Folha Imagem

O pagamento teria sido feito por empreiteiras do Qatar em uma conta secreta de Ricardo Teixeira em Mônaco – que estaria com os tais 30 milhões de euros.

Um juiz do principado enviou as informações para a justiça brasileira, que investiga paralelamente o cartola por lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

A polícia suíça já tinha revelado a suspeita de que o amistoso entre Brasil e Argentina em 2010 teria sido usado de faxada para transferência do dinheiro para o brasileiro.

Apesar de todas as suspeitas, Ricardo Teixeira negou que seu voto tenha sido influenciado por conta de quantias volumosas de dinheiro. Para a revista, o ex-presidente da CBF disse que criou sua conta dois anos depois da escolha do Qatar para sediar o Mundial. “Eu votei para o Qatar, mas eu não recebi um centavo para isso”, desconversou.

No decorrer dos trabalhos, outras demandas podem surgir e com isto requerimento de documentos. Os parlamentares definiram o período entre janeiro de 2011 e abril de 2015 como foco das investigações e já solicitaram uma série de documentos junto às secretarias, autarquias e fundações municipais.

UOL

Comentários

comentários