Quadro de Da Vinci é vendido por US$ 450,3 milhões em NY; recorde

Agências

‘Salvator Mundi’: quadro de Leonardo da Vinci estabelece recorde de obra de arte mais cara já vendida no mundo (Foto: Drew Angerer/Getty Images)

Um quadro pintado por Leonardo da Vinci há cinco séculos foi leiloado nesta quarta-feira por 450,3 milhões de dólares (1 bilhão e meio de reais). A venda, efetuada pela casa de leilões Christie’s, em Nova York, coloca a obra Salvator Mundi (Salvador do Mundo, em tradução livre) como a mais cara já comercializada em todos os tempos.

O leilão durou cerca de 20 minutos, período mais longo que o de costume para vendas do tipo. O preço inicial foi de 70 milhões de dólares, mas três minutos depois, a peça já tinha alcançado os US$ 200 milhões. O  valor final ofertado foi de 400 milhões de dólares, sendo os mais de 50 milhões de dólares restantes referentes a taxas e outros encargos. A identidade e a origem do comprador não foram revelados pela casa de leilões.

A peça, única obra do artista italiano mantida em coleções privadas, foi comissionada pelo rei Luis XII da França por volta do ano 1500, e posteriormente fez parte da coleção do Rei Carlos I da Inglaterra. Dado como perdido desde o século 18, o quadro reapareceu em um leilão em Londres em 1958, e, considerado uma cópia por especialistas à época, foi arrecadado por apenas 58 libras (250 reais). Em 2005, o trabalho foi vendido novamente por menos de 10 mil dólares, e, eventualmente, acabou nas mãos de um bilionário russo, que o arrecadou oito anos depois por 127,5 milhões de dólares.

O trabalho leiloado, uma leitura de Jesus Cristo em roupas Renascentistas feita por Da Vinci que foi descrita pela  Christie’s como “a maior descoberta do século 21”, supera em muito o antigo recorde de obra de arte mais cara já vendida, de autoria de Pablo Picasso. Em 2015, o quadro do espanhol Les Femmes d’Alger foi arrecadado por 179,4 milhões de dólares.

Comentários

comentários