Quadrilha que tinha até assaltante de bancos é desarticulada na fronteira

Da Redação/JN

Quatro pessoas foram presas pelo DOF (Departamento de Operações de Fronteira) acusados por tráfico de drogas. O flagrante ocorreu na quinta-feira (19) no município de Aral Moreira, fronteira do Brasil com o Paraguai.

Roque (preto) é condenado pela Justiça e Sílvio (vermelho) é conhecido por assaltos a bancos – Crédito: Osvaldo Duarte

Entre os integrantes do grupo, Silvio de Lima, 45, é conhecido por assaltos a bancos e Roque Escobar, 47, condenado por tráfico.

De acordo com o boletim de ocorrência, policiais realizavam rondas na MS-386 e encontraram carreta carregada com material reciclável parada na via. Ao conversar com o motorista, Maurício Moura Vieira, 38, perceberam nervosismo dele.

Segundo o douradosnews, a equipe do DOF então iniciou buscas no veículo e encontraram vários tabletes de maconha escondidos sob a carga. Questionado, ele disse ter sido contratado por outra pessoa para levar o entorpecente até Canoas (RS) pelo valor de R$ 5 mil.

Ainda conforme o boletim de ocorrência, o veículo estava com dois pneus furados e ao ser perguntado, Maurício disse que outros dois homens – Roque e Silvio – faziam o trabalho de batedores e que Cássio Traessel, 32, era o responsável pela contratação do motorista e suporte enquanto o caminhão estava parado.

Ao saber do fato, os policiais pediram apoio de outras equipes e na mesma rodovia, próximo ao posto fiscal Maimi encontraram o GM Astra com os ocupantes. No carro, havia três câmaras de pneus para caminhão.

Em visualização no aparelho de telefone celular dos suspeitos, o DOF encontrou troca de mensagens com Maurício e Cássio.

As investigações continuaram e os policiais chegaram na borracharia contratada para arrumar o pneu da carreta.

Lá seguiram as buscas e encontraram o veículo onde estavam o borracheiro que prestaria o serviço e Cassio.

Os quatro foram presos e encaminhados à Defron (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Fronteira) e lá foi constatado que a carreta possuía queixa de furto em julho desse ano em Gravataí (RS). A carga total do entorpecente pesou 1.655 quilos.

Nome falso

Antes da prisão, Roque Escobar se identificou e apresentou documentos com o nome de Rodrigo Roque Duarte, porém, durante investigações realizadas por policiais da Defron, chegou-se ao nome verdadeiro do rapaz.

Conforme a apuração, Roque usava pelo menos três nomes diferentes na tentativa de despistar a fiscalização.

Os quatro foram autuados em flagrante pelo tráfico de drogas.

Comentários

comentários