PSDB diz na TV que ‘está na hora’ de PT ‘pagar pelos próprios erros’

Principais nomes da sigla falaram em programa partidário nesta segunda.’Está na hora de a presidente ter grandeza’, afirma ex-presidente FHC.

Os principais nomes do PSDB afirmaram em programa na noite desta segunda-feira (28) em rede nacional de rádio e televisão que o PT e o governo enganaram os brasileiros e que está na hora de o partido adversário “pagar pelos seus próprios erros”, segundo palavras do senador José Serra (PSDB-SP).

O G1 procurou a assessoria do PT a fim de ouvir o partido sobre as críticas e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem. Nesta terça (29), serão exibidas durante a programação das emissoras de TV duas inserções do PT.

Aécio no programa do PSDB (Foto: Divulgação )
Aécio no programa do PSDB (Foto: Divulgação )

“Nós avisamos: está entrando água no barco, pode afundar. Mas o PT se fez de surdo, não cuidou de prevenir a crise. Só pensou em ganhar a eleição […] Acho que está na hora de o PT pagar pelos seus próprios erros”, afirmou Serra no vídeo do programa, disponível no site do partido e que o Blog do Camarotti antecipou.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que a gestão da presidente Dilma Rousseff “está derretendo”. Para FHC, que já defendeu a renúncia de Dilma, “está na hora de a presidente ter grandeza e pensar no que é melhor para o Brasil e não para o PT”.

O presidente do partido, senador Aécio Neves (PSDB-MG), disse que a realidade “foi escondida dos brasileiros” . Para ele, “preveleceu sempre a mentira, tudo apenas para vencer as eleições”, mas, ressalvou, “é dentro das regras democráticas que nós queremos e nós iremos lutar”.

De acordo com o governador tucano de São Paulo, Geraldo Alckmin, “o Brasil não pode ficar parado por mais três anos”.  “O Brasil vive hoje uma das piores crises de sua história. E o governo do PT escolheu o pior caminho para enfrentá-la: aumentou impostos e juros, piorando ainda mais o drama do desemprego”, disse Alckmin.

A propaganda traz críticas à recriação da CPMF, anunciada pelo governo federal como medida para equilibrar o orçamento do próximo ano.

O vídeo mostra uma imagem da presidente Dilma Rousseff, durante as eleições, afirmando que não pensava em recriar a CPMF “porque não seria correto” e que a contribuição era um “engodo”.

Em seguida, o narrador questiona:  “Como acreditar numa governante que diz uma coisa e, quando lhe convém, faz outra?”

Em sua aparição, Aécio Neves, que perdeu a última eleição para Dilma, diz que a crise será superada “quando a verdade substituir a mentira e a competência voltar a conduzir os destinos do país”.

Segundo ele, a presidente transfere o custo dos seus erros para as famílias e os trabalhadores brasileiros”.

O senador afirma, ainda, que “o que está feito está feito” e que é necessário “olhar para a frente”.

“Somos oposição, sim, mas somos oposição a esse governo, não somos e nem jamais seremos oposição ao Brasil. […] Se o governo quiser trazer de volta imposto do cheque, seremos contra. Mas se esse mesmo governo reduzir impostos sobre a folha de pagamento para que empresas parem de demitir, seremos a favor”, disse Aécio.

A propaganda menciona ainda a perda pelo Brasil do grau de investimento na classificação de crédito da Standard and Poor’s (S&P), o pedido do TSE para investigação das contas da presidente e a análise pelo TCU (Tribunal de Contas da União) das contas do governo em 2014.

No final, o programa reage às acusaçõers de partidários de Dilma e do governo de que a oposição planeja um golpe.

Um apresentador pergunta ao telespectador do que ele é vítima quando empresta dinheiro para alguém e essa pessoa desaparece. “De um golpe”, responde.

Ele também indaga o que siginifica votar em quem prometeu controlar a inflação, não mexer no seguro-desemprego e aumentou a tarifa de energia elétrica. “Pense bem, isso é ou não um verdadeiro golpe?”, perguntou.

G1

Comentários

comentários