Professora é presa após fazer sexo com estudante e aumentar suas notas

Aluno foi reprovado em inglês no último semestre, mas obteve média 98 neste. Mãe descobriu troca de mensagens

Estados Unidos – Uma professora de 25 anos foi condenada a um ano de prisão por fazer sexo com um aluno, de 17, que de uma hora para outra passou a receber notas mais altas. Kalyn Thompson lecionava inglês em uma instituição de ensino médio em Oklahoma, nos Estados Unidos, segundo o “Mirror”.

Kalyn Thompson, de 25 anos, foi condenada a um ano de prisão por fazer sexo com aluno de 17 Foto:  Divulgação/ Clear Creek County Sheriff's Office
Kalyn Thompson, de 25 anos, foi condenada a um ano de prisão por fazer sexo com aluno de 17
Foto: Divulgação/ Clear Creek County Sheriff’s Office

O jovem afirmou que fez sexo com a professora por duas vezes, a primeira vez perto de um lago e em outra ocasião em um motel. Segundo a polícia, o estudante foi reprovado em inglês no último semestre, mas obteve média 98 neste.
Porém, quando confrontado pela comissão de que a substância somente permaneceria no organismo por uma semana, o que impossibilitaria um teste positivo no dia 31 de janeiro, Anderson mudou a versão e disse que, na verdade, havia tomado o estimulante na semana anterior à luta com Diaz.

Isso acabou não convencendo os comissários, que questionaram os motivos de Anderson não ter contado que ingeriu a substância antes da luta. O brasileiro afirmou que se sentia constrangido em dizer que tomou um estimulante sexual, já que se tratava de um assunto pessoal.

O veredito

Pouco antes de o veredito ser anunciado, um dos comissários classificou a defesa do brasileiro como “inconsistente”, e, por isso, queria aplicar a punição máxima, de 12 meses. Outro declarou que tinha a sensação de que não estava ouvindo a história completa sobre o caso, suspeitando de que o tal estimulante sexual era, na verdade, algo para mascarar outras substâncias proibidas.

No fim, todos os comissários foram unânimes em punir o lutador em 12 meses, contabilizados a partir da data da luta contra Nick Diaz. Além disso, o brasileiro perdeu 30% de sua bolsa, mais integralmente o bônus pela vitória, totalizando uma multa de US$ 380 mil.

Assim, Anderson, cujo cartel agora é de 33 vitórias, seis derrotas e um no-contest, estará apto a voltar às lutas em fevereiro de 2016. Porém, sua licença para lutar novamente só será dada caso apresente um exame antidoping negativo.

O DIA

Comentários

comentários