Produtor rural colhe ‘mandiocão’ de mais de 2m e 26 kg

Quem já arrancou um pé de mandioca sabe que muitas vezes fica pesado para puxá-lo e com isso é preciso força para que a planta saia debaixo da terra. Agora dá para imaginar a dificuldade para se arrancar um pé que totaliza mais de 50 kg? Essa foi a missão de Valmiro Tavares de Lima, 65, e seu filho de 18 anos com a descoberta de um “pé prodígio” em sua propriedade rural em Fátima do Sul.

Mandioca foi arrancada em uma propriedade rural em Fátima d do Sul (Foto: Arquivo Pessoal)
Mandioca foi arrancada em uma propriedade rural em Fátima d do Sul (Foto: Arquivo Pessoal)

O pé todo alcançou esse peso em média mas, o que mais chamou a atenção é uma raiz desse com 2,10m de comprimento e 26 kg, de acordo com informações do produtor rural.

Segundo o Dourados News, a descoberta do ‘mandiocão’ aconteceu de forma um tanto quanto espantosa. O produtor conta que caminhava na plantação de um hectare que tem em média um ano e meio, quando por conta das chuvas uma parte da rama ficou exposta e em um olhar rápido ele pensou se tratar de uma cobra, mas ao verificar melhor viu que não. Ele conta que ficou surpreso já que em mais de 30 anos de trabalho com plantio nunca viu algo do tipo.

“Me assustei vi de longe parecia uma cobra, mas depois vi que era um pedaço de rama exposta. Eu nunca vi nada assim em todo esse meu tempo de roça, a mandioca é imensa, passa dos meus 1,60 de altura, é algo muito interessante”, conta.

Ele conta que então falou do fato a amigos antes de arrancar a rama e esses duvidaram que mandioca seria tão grande. Diante disso, Valmiro decidiu arrancar para provar o fato. Uma dificuldade foi transportar o ‘mandiocão’, mas ele logo deu um jeito nisso e foi para a cidade mostrar sobre o que tinha falado.

“Quase não coube no carro tive que encaixar. Ninguém acreditava quando eu falava que era imensa pelo que eu tinha visto então levei na cidade e pesamos e virou curiosidade para todos”, conta.

Quanto as cuidados ele cita que a família mesmo cuida da limpeza do mandiocal que fica aos fundos da casa.

“Eu e o pessoal aqui em casa limpamos, tiramos ervas daninhas”, diz.

Valmiro conta que a mandioca virou celebridade em Fátima do Sul. Várias pessoas pediam para tirar fotos e já aproveitavam para encomendar uma rama, pedido que ele diz que tem atendido aos poucos.

“Quando cheguei lá todos ficaram admirados, logo já tinha uma roda de gente em torno de mim, com celular, máquina para fotos. Muita gente me pediu rama e estou dando pro pessoal”, diz.

O pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Auro Otsubo, cita que o fato não é tão incomum na região e que o tamanho maior da raiz deve ser atribuído as boas condições do local, assim como os cuidados.

“Algumas raízes atingem esse tamanho, isso se dá a boa fertilidade do solo, cuidados como retirada de ervas daninhas e possibilidade de um bom clima sem geada e sem seca. Acontece de chegar a esse tamanho e é algo que com certeza chama muita atenção”, comenta.

Apesar de todo o sucesso da raiz de mandioca-mansa, o produtor afirma que não tem a pretensão de realizar plantio para a venda externa devido ao baixo retorno financeiro, e manterá somente para consumo. Ele cita que a mandioca ainda está guardada, recebe “visitantes” e que servirá de alimentos para a criação de peixes que tem na propriedade.

“Por mais que sejam boas e grandes vender não compensa, é muito gasto para manter, colher, transportar, para pouco lucro. Agora está guardada, ainda vem gente curiosa ver, quando estiver para estragar eu vou dar aos peixes”, explicou.

Comentários

comentários