Prioridade, Saúde recebe 60% dos recursos das emendas parlamentares

Os repasses das emendas parlamentares assinados na tarde deste quinta-feira (16), no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo, tiveram 60% do seu total destinado à saúde, área prioritária do Governo de Mato Grosso do Sul. O percentual passou de 50% para 60%, assim como o valor das emendas, que passou de R$ 1 milhão para R$ 1,5 milhão por parlamentar.

Foto Chico Ribeiro
Foto Chico Ribeiro

“Esse aumento no valor das emendas e na porcentagem é realmente muito importante para a saúde que é prioridade absoluta do Governo. Esses recursos foram discutidos com os deputados estaduais junto com a gestão do executivo, ou seja, não são emendas eventualmente decididas pelos deputados, e sim um trabalho conjunto para a reestruturação do sistema de saúde em Mato Grosso do Sul. Não tenho dúvida de que vamos ter um resultado bastante positivo na assistência de saúde do Estado”, disse o secretário de Estado de Saúde, Nelson Tavares.

Segundo o governador Reinaldo Azambuja, a prioridade do Governo do Estado é atender as demandas da sociedade e os repasses das emendas mostram a vontade política e a parceria do executivo com o legislativo. “Em período de crise nosso objetivo é fazer um governo criativo que atenda as demandas maiores da sociedade e isso mostra a nossa vontade política em atender pessoas, comunidades, municípios e entidades. Sou muito agradecido a vocês [entidades sociais] que cobrem uma lacuna importante que é o voluntariado, pois muitas vezes nós do poder público não conseguimos cobrir. Tem questões que são feitas de gestos e outras de ações concretas, e sem dúvida, hoje trata-se da concretização de uma questão”, disse.

Os repasses das emendas são provenientes do Fundo de Investimento Social (FIS) e este ano com o aumento de R$ 1,5 milhão por deputado estadual, o montante chegou a R$ 38,5 milhões sendo R$ 22,6 milhões para a saúde. Dos 24 parlamentares, 20 destinaram de forma coletiva, o total de R$ 1,8 milhões para atender a rede hospitalar da Capital.

Este ano ao todo foram 1130 indicações que beneficiarão 79 municípios e mais de 600 entidades da saúde, educação e assistência social.

Comentários

comentários