Presidente do Sintáxi alerta a população sobre os riscos do Uber

Presidente do Sintáxi disse que a chegada do Uber não os intimida (Foto: Jefferson Parreira)
Presidente do Sintáxi disse que a chegada do Uber não os intimida (Foto: Jefferson Parreira)

O presidente do Sintáxi (Sindicato dos Taxistas de Mato Grosso do Sul), Bernardo Quartin, destacou durante entrevista concedida a Página Brazil na tarde desta terça-feira (26), que ainda é muito cedo para falar sobre a oscilação no número de corridas dos taxistas com a chegada da Uber em Campo Grande.

Segundo Quartin, o sindicato está estudando possibilidades para driblar a chegada do aplicativo Uber na Capital. Ele completou dizendo que os taxistas não vão agir de forma agressiva, e procura resolver a situação sem protestos e “quebradeira” como acontece em outras cidades. “Tudo isso é um desgaste desnecessário”, declara.

Bernardo Quartin acredita que o Uber é um perigo para a população (Foto: Jefferson Parreira)
Bernardo Quartin acredita que o Uber é um perigo para a população (Foto: Jefferson Parreira)

Ainda segundo o presidente, a baixa taxa do Uber não é sinônimo de qualidade. “O barato nem sempre é o melhor”, avalia.

No ponto de vista de Quartin, a população está empolgada com o serviço por ser uma “novidade”. Para ele, isso tudo é momentâneo, e alega que a sociedade campo-grandense está em risco ao utilizar o serviço da Uber por não ser regulamentado. “A minha preocupação é com a sociedade, somos um conjunto social, me preocupo com todos”, acrescenta.

O serviço da Uber não intimida Bernardo Quartin, ele disse que vai lutar pelo sindicato e completou dizendo que o momento de reação vai chegar. Ele afirma que o poder executivo e o Ministério Público do Trabalho, devem tomar as devidas providências para o caso que ele julga como “pirataria” de táxis.

“A sociedade campo-grandense está em risco, optando por pagar mais barato por um transporte que não tem qualificação nenhuma, para carregar os seus familiares”, Alerta o presidente.

Concorrência desleal

Para Mário Vilela, que atua há mais de 20 anos como taxista, a chegada do Uber não prejudicou suas corridas, ele acredita que a diminuição é relativa ao período em que passamos [o fim do mês], mas completa dizendo que a Uber chegou para detonar a concorrência. “Isso é uma concorrência desleal”, afirma.

Mário vilela é taxista há mais de 20 anos (Foto: Paulo Francis)
Mário Vilela é taxista há mais de 20 anos (Foto: Paulo Francis)

O taxista compara o serviço de táxi com a facilidade e praticidade da Uber. “Temos os meios que facilitam o pagamento do cliente”, conta.

Vilela contou que 90% dos pagamentos são feitos em dinheiro. Ele acredita que a tecnologia básica para pedir um táxi é o suficiente, e defende o processo burocrático no mundo dos taxistas, que serve para qualificar seus trabalhadores.

Quando se trata da simpatia dos motoristas do Uber, Mário os julga como “falsos”, dizendo que isso não passa de um teatro.

Sobre o Uber – O Uber é um aplicativo para dispositivo móvel nascido na Califórnia, com o intuito de colocar os usuários em contato direto com os automóveis de passageiros com condutor. Sua proposta é um serviço semelhante a um táxi de luxo, que alguns julgam como “carona remunerada”.

O fato da Uber não seguir as regras administrativas e comerciais do mercado, fez com que surgisse uma rivalidade entre os taxistas e os motoristas do Uber.

Comentários

comentários