Presidente da Câmara vai ao MPF hoje para impedir aumento de pedágio

Da Redação/JN

O presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, vereador Prof. João Rocha, usou a Tribuna, vai na tarde desta terça-feira (19) ao MPF (Ministério Público Federal) para apresentar tentar impedir o reajuste de R$ 0,40 no pedágio cobrado na praça de Campo Grande na BR-163.

Vereador afirmou que vai procurar todas as medidas legais para cobrar as atitudes adotas pelas CCR MSVia

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) autorizou o aumento que afeta todo o estado em até 8,6% e publicou a resolução que oficializa a medida no último dia 15 de setembro no Diário Oficial da União.

A concessionária anunciou no dia 11) o aumento do pedágio nas nove praças de Mato Grosso Sul já na quinta-feira (14). João Rocha garantiu iria procurar o MPF (Ministério Público Federal) para providências.

“Promovemos uma reunião com outras Câmaras Municipais que cruzam a BR-163 para, juntos, cobrarmos a retomada das obras. Na ocasião foram destinados encaminhamentos para a CCR MSVia para retomada das obras, ou a paralisação da cobrança do pedágio. Agora nos vem à notícia que será duplicado 12,5 quilômetros e junto o aumento na taxa do pedágio”, disse.

“Quero manifestar nossa indignação. Não obtivemos nenhuma resposta dos encaminhamentos destinados a CCR MSVia. Vamos procurar o Ministério Público Federal. Nós temos obrigação de representar o cidadão campo-grandense”, salientou.

O vereador ainda fez uma comparação entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, dois estados onde a empresa atua. “A quantidade de quilômetros de serviço prestado entre os dois estados é antagônica. Aqui se paralisa a obra e continua com a cobrança de pedágio. Em Mato Grosso, as obras continuam e os pedágios diminuíriam. Agora, vem com esta história de duplicar 12,5 quilômetros e aumentar a cobrança em R$ 0,40. Em algumas praças de pedágio, será aumentado até R$ 0,50. Isso é um absurdo”, emendou João Rocha.

“Nos espanta as próprias audiências públicas no início do projeto para concessão da via não terem sido devidamente divulgadas, com isso, houve pouca participação da população. Parece um projeto cheio de remendos, mais atrapalhando os perímetros urbanos. Construíram praças de pedágios logo quando duplicaram os primeiros trechos, é possível visualizar ao longo da via várias interrupções bruscas na duplicação, sem sinalização. É um projeto que nasceu mal formatado, e o que começa errado não tem jeito de corrigir no meio do caminho”, analisou.

Por fim, o vereador afirmou seu compromisso em procurar todas as medidas legais para cobrar as atitudes adotas pelas CCR MSVia. “Vamos adotar todos os procedimento legais, políticos e técnicos. Nossa paciência se esgotou, vamos em todas as instâncias e vamos defender a população sul-mato-grossense”, finalizou.

Comentários

comentários