Presidente da Câmara crê que Janot vai pedir seu afastamento

O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz estar convencido de que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, irá requerer ao STF nos próximos dias o seu afastamento cautelar do cargo de presidente da Câmara. Em privado, Cunha revela que se equipa para enfrentar a acusação de que usa o posto para atrapalhar as investigações e constranger testemunhas.

Presidente Eduardo Cunha
Presidente Eduardo Cunha

Na avaliação do mandachuva da Câmara, o doleiro Alberto Youssef forneceu matéria-prima para a petição de Janot. Em depoimento ao juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, o delator afirmou:

“Eu venho sofrendo intimidação perante as minhas filhas e a minha ex-esposa por uma CPI coordenada por alguns políticos. […] Como réu colaborador, quero deixar claro que eu estou sendo intimidado pela CPI da Petrobras, por um deputado pau mandado do senhor Eduardo Cunha.”

Embora não tenha dado nome ao “pau mandado”, Youssef referia-se ao deputado Celso Pansera (PMDB-RJ). Aliado de Cunha, ele requereu na CPI a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico de duas filhas e da ex-mulher do doleiro. Acionado, o STF suspendeu a decisão. Mas a CPI tornou a aprovar.

Antecipando-se à hipotética iniciativa do procurador-geral, o aliado de Cunha contestou Youssef numa entrevista ao Globo. “Não sou pau mandado de ninguém”, disse Pansera. “Não devo favor nenhum a Eduardo Cunha. Ele é líder do partido, presidente da Câmara, mas fui eleito como resultado do meu trabalho. Fazer os requerimentos à CPI foi uma decisão minha. E só fiz isso porque foi o próprio Youssef quem falou dos patrimônios das filhas na delação dele.”

UOL

Comentários

comentários