Prefeitura decreta estado de alerta contra o Aedes aegypti

O prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP) decretou nesta terça-feira (22) o estado de alerta contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus e estabelece a criação do gabinete sobre a prevenção e controle da transmissão na cidade de Campo Grande.

Segundo o decreto, os munícipes e aos responsáveis pelos estabelecimentos edificados ou não, publico, privado ou mistos, compete a adoção de todas as medidas necessárias à manutenção de suas propriedades limpas, sem acúmulo de lixo e de materiais inservíveis, de modo a evitar o surgimento de condições que propiciem a instalação , manutenção e a proliferação do mosquito causador das três doenças.

Foto:César Krügel
                                                 Foto:César Krügel

Ainda conforme o decreto fica criado o Gabinete Interinstitucional de Saúde, composto por representantes da Secretaria municipal de Saúde, Secretaria municipal de Segurança Pública, Secretaria de Infraestrutura, Transporte, Habitação, Secretaria Municipal de Administração e Secretaria municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano. A “Sala de Situação” do Gabinete Interinstitucional de Saúde ficará localizada na Rua João Rosa Pires, 1001,1° andar, no bairro Amambaí, onde será centralizado as reuniões tomadas de decisões e realizará o monitoramento em geral, enquanto o município estiver em alerta.

A população poderá fazer contato com a prefeitura para fazer denúncias de foco de criadores do mosquito por meio do telefone 33149955 ou via email [email protected] As secretarias envolvidas deverão dar prioridade absoluta ao trabalho de fiscalização, prevenção e combate ao mosquito.

Dados epidemiológicos

De acordo com a Sesau, do dia 27 de janeiro a 21 de dezembro foram 10.403 notificações deste total, 4.013 casos confirmados de dengue, cinco com dengue grave e três mortes em decorrência da doença. Com relação à chikungunya, neste mesmo período ocorreram 119 notificações, com dois casos confirmados (importados). Quanto ao zika vírus, o levantamento feito pela Sesau revela 290 casos investigados com suspeita da doença, nenhum caso ainda foi confirmado.

Redação com assessoria 

Comentários

comentários