Prefeitura analisa proposta para dar fim à greve dos professores

A Prefeitura Municipal de Campo Grande tem mantido aberto o diálogo com o Sindicato dos Profissionais da Educação Pública de Campo Grande (ACP) com o objetivo de dar um fim à greve que dura mais de um mês e prejudica parte dos 100 mil alunos da Rede Municipal de Ensino (Reme).

Enquanto não se fecha acordo, professores mantém protestos na Capital
Enquanto não se fecha acordo, professores mantém protestos na Capital

O Secretário Municipal de Governo e Relações Institucionais, Paulo Matos, a perspectiva é de reunir as secretarias de Administração, Educação e Finanças e Controle para formatar proposta com “consistência técnica”. Ele, no entanto, evita adiantar o conteúdo de um possível acordo que faça frente a cobrança de reajuste de 13,01% pela categoria.

O presidente do Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública (ACP), Geraldo Alves Gonçalves, aposta em uma flexibilização do município em relação ao percentual. Isso porque os professores estariam dispostos a dividir os 8,5% em “módicas prestações” até dezembro, bem como dos 4,51% faltantes entre os meses de janeiro e abril do próximo ano.A paralisação, no entanto, não prejudica apenas aos alunos.

Enquanto não se fecha acordo, professores mantém protestos em frente ao Paço Municipal e durante as sessões da Câmara Municipal de Vereadores. A assessoria da prefeitura também confirma existência de paralisação parcial de 43 escolas e o retorno das aulas em outras 45 unidades educacionais.

Comentários

comentários