Prefeito manda apurar a ida de professoras “enganadas” a Brasília

O prefeito de Naviraí Léo Matos (PSD), se reuniu na manhã de ontem (05), com as professoras Neusa Lima Rodrigues, Janaina Almeida Costa, Ivani Regina Rodrigues e a funcionária Nelzeli Lima Rodrigues, do administrativo da Rede Municipal de Educação. As quatro tiveram seus nomes mencionados em todo País, depois que um vídeo viralizou na internet onde elas se sentiram enganadas para irem até Brasília em o ato contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Prefeito Léo Matos durante encontro com professoras. (Foto: Assessoria)
Prefeito Léo Matos durante encontro com professoras. (Foto: Assessoria)

Segundo as docentes de Naviraí, a caravana organizada pela Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), tratava-se de um convite para debater o regime previdenciário, mas chegando na Capital Federal era um ato em apoio contra impedimento da presidenta. “Não sabíamos que era para fazer uma manifestação contra o impeachment. Independente se fosse a favor também não iriamos se soubéssemos a verdade. Na educação não pregamos isso, vai contra a Lei”, disse Janaina.

A professora Ivani Rodrigues, disse que o prefeito Léo Matos acertou em solicitar um pedido de sindicância, uma vez que a prefeitura teve prejuízo financeiro com a reposição de vários professores para o lugar dos que foram em Brasília. “Foram três dias de reposição com a convocação de professores para que os alunos não ficassem sem aula. Não foram apenas nós três, e sim vários professores”, avaliou Ivani.

O prefeito Léo Matos disse não ser contra os atos a favor ou contrário do pedido de impeachment da presidente Dilma, mas que o município não pode ser penalizado financeiramente para apoiar qualquer ato político. “Em um momento que se fala e crise financeira nos deparamos com este tipo de atitude. Nos solidarizamos com os professores que foram em Brasília, pois achavam que buscavam algo melhor para seu futuro como o setor previdenciária, mas não foi isso que aconteceu”, disse o prefeito.

Em nota oficial divulgada na Rede Social, a presidente do Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação-Naviraí (SIMTED), disse que todos foram enganados. Segundo ela, o que foi passado para o conselho de presidentes em Campo Grande, que seria um protesto sobre a previdência. “Como presidente do SIMTED, me sinto indignada com essa situação. Não se pode tomar partido. A luta é outra”, desabafou Roseli.

Comentários

comentários