Prefeito lança Plano de ações para REME sem contar reajuste a professores da Capital

Bernal lê folder de resumo do Plano, antes de lançar a cartilha total (Foto: Lúcio Borges)
Bernal lê folder de resumo do Plano, antes de lançar a cartilha total (Foto: Lúcio Borges)

O prefeito Alcides Bernal e a titular da Semed (Secretaria Municipal de Educação), professora Leila Machado, lançaram na manhã desta segunda-feira (14), o Plano de ação 2016 para Educação da REME (Rede municipal de Ensino) de Campo Grande. O chefe do Executivo, apresentou a cerca de 300 pessoas, entre todos os diretores e agentes da área de Educação do Município e Estado, os projetos educativos que serão implementados nas 193 escolas e Ceinfs (Centros de Educação Infantil) da Capital. No total são 70 sub-projetos que integram o denominado Plano de Ação “REME – Todos pelo saber – 2016”. Veja abaixo, os principais pontos.

O Plano, que foi detalhado sendo para contribuir para melhoria geral da qualidade da educação pública municipal, não contém ou contempla a remuneração pleiteada pela categoria, em ter o reajuste e estar dentro da Lei do índice Nacional do salário dos profissionais, que é devido pela prefeitura, referentes ao ano de 2015 e já o deste ano. O aumento real que deveria ser cumpridos na totalidade, perfaz quase 25% a mais nos proventos dos professores, sendo 13% do ano passado e 11%, que dentro da Lei seriam obrigatórios a serem cumpridos.

Segundo o prefeito, o Plano é de valorização de todo o sistema da Educação da Reme, revendo, continuando ou implantando novos métodos e ações. “Tudo para ampliar e engrandecer a Educação da Capital, para e visando a formação integral dos alunos e para atender todos os profissionais envolvidos. Além de pensar ou voltar a Educação para o social e não só para as letras. Formação em conjunto para as crianças terem um presente com qualidade de vida e de futuro de adulto cidadão de bem, críticos e consciente de sua atuação individual e coletiva, acima de tudo na sociedade da Capital, bem como em qualquer outro lugar”, avaliou Bernal.

Indagado sobre o aumento dos salários dos professores, que também é uma forma de valorização do principal agente da Educação, Bernal disse que o diálogo e negociação continua em aberto e que pretende chegar a um patamar bom para categoria e para Administração. E que esta sendo planejado o aumento dentro das possibilidades do que está a situação da prefeitura. “Estamos buscando o máximo, o melhor possível, mas ainda há crise ou mesmo pensamos no futuro próximo e em longo prazo, queremos algo real para se poder cumprir hoje e amanhã. Não adianta fazer promessas e dar índice que depois se cumpre pela metade, que tem que voltar a renegociar ou não se cumpre”, disse o prefeito à imprensa e foi enfático no discurso do evento.

Sem índice nacional

Bernal, não disse com todas as palavras, mas deixou claro que não irá dar o aumento ou cumprir todo o índice nacional. Ele alega a ainda que não chegou ao fim da crise financeira do município e que tem também a Lei de Responsabilidade Fiscal a cumprir e administrar a cidade para toda a população e categorias. Como ainda, que os salários hoje da prefeitura estão dentro do índice nacional e já são um dos maiores do Brasil, disse o prefeito, que perguntou e “forçou” a platéia de maioria de servidor contratado da Semed, a responder sobre o valor recebido atualmente.

“Quanto é pago para dar aula por 20 horas? Repete? Me digam o valor exato? Se são R$ 2.546 para meio período, os dois ou 40 horas são mais de 5 mil. Sim ou não? É ou não verdadeiro?”, indagou o prefeito, para mandar um recado aos que atualmente dizem ao contrario e até se passou uma propaganda da Fetems (Federação dos Trabalhadores da Educação de MS), contestando o valor. “Não dá, todos sabem qual situação que nos entregaram a prefeitura. Vontade não falta, mas isso não multiplica recursos. E administramos uma cidade para diversas categorias e temos que olhar a todos”, finalizou Bernal.

Plano

Veja detalhes do Plano de Ação “REME – Todos pelo saber – 2016”, em acesso neste link de matéria que publicamos no inicio da manhã de hoje.

Lúcio Borges

Comentários

comentários