Prefeita, vereadores e empresa de MS são alvos de operação da PF

Alvos da Operação Savandija, a prefeita e o presidente da Câmara Municipal de Ribeirão Preto (SP), respectivamente Dárcy Vera (PSD) e Walter Gomes (PTB), foram levados juntamente com outros oito vereadores para a sede da Polícia Federal da cidade do interior paulista, na manhã desta quinta-feira (1º), para prestar esclarecimentos.

Walter Gomes (PTB), na sede da Polícia Federal em Ribeirão Preto (SP) (Foto: Reprodução/EPTV)
Walter Gomes (PTB), na sede da Polícia Federal em Ribeirão Preto (SP) (Foto: Reprodução/EPTV)

Deflagrada hoje pela manhã para desmontar esquema que fraudou R$ 203 milhões de empresas, a operação que cumpre mandado de prisão em Campo Grande e em Ribeirão Preto (SP), , tem como alvo capital do Esatdo uma empresa com sede na Rua São Paulo. Pela manhã, policiais fizeram busca de documentos e a princípio não houve prisão.

De acordo com o G1 SP, dos 13 mandados de prisão temporária e 17 de condução coercitiva, 9 deles têm como alvo vereadores de Ribeirão Preto, são eles: O presidente da Câmara Walter Gomes (PTB) e os vereadores Samuel Zanferdini (PSD), Evaldo Mendonça da Silva (PTB), Capela Novas (PPS), Genivaldo Gomes (PSD), Cícero Gomes (PMDB), José Carlos de Oliveira (PSD), Maurilio Romano (PP) e outro parlamentar que não teve o nome divulgado.

Todos foram levados para a sede da PF de Ribeirão e a corporação não detalhou se todos foram alvo de condução coercitiva, quando o investigado é levado para depoimento e se não colaborar é detido.

OPERAÇÃO

Denominada Sevandija, pessoa que vive à custa alheia, a operação apura crimes de fraude a licitação, peculato, corrupção ativa, passiva e tráfico de influência. A investigação, iniciada em julho do ano passado, constatou envolvimento de empresas sul-mato-grossenses no esquema.

Simultaneamente são cumpridos 13 mandados de prisão temporária, 17 de condução coercitiva e 48 de busca e apreensão na sede da Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, Secretarias Municipais de Administração, Saúde, Educação, gabinetes da Câmara Municipal, além da Companhia de Desenvolvimento (Coderp), Departamento de Águas e Esgoto (Daerp) e empresas privadas.

Todos os mandados foram expedidos pela 4ª Vara Criminal de Ribeirão Preto, sendo presos e documentos encaminhados para sede da Polícia Federal em Ribeirão Preto.

Comentários

comentários