Preço da Cesta Básica em Campo Grande sobe 17,28% em 12 meses

Tomate e batata e açúcar puxaram a alta Cesta Básica em Campo Grande no mês de novembro, segundo apuração da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico (Semade). No mês passado, os preços do pacote de alimentos essenciais da Cesta Básica na Capital sul-mato-grossense registraram alta de 2,87% em relação ao mês anterior, subindo de R$ 343,41 para R$ 353,26. Nos últimos 12 meses, a cesta teve alta acumulada de 17,28%. Clique aqui para verificar o levantamento de novembro/15.

11tomba

Dentre os 15 produtos pesquisados 14 tiveram alta nos preços, com destaque para: tomate 21,14%; batata 20,61%; açúcar cristal 4,73%; alface 4,41%; óleo de soja 3,63%; feijão 2,50%; banana (maçã e nanica) 2,45%; sal refinado 2,17%; arroz 2,09%; laranja 1,81%; margarina 1,59%; macarrão 0,87% e carne bovina (agulha/acém) 0,26%. O pão francês manteve seu preço inalterado. Registrou queda de preço leite (tipo C) 1,27%.

Segundo o levantamento da Semade, o preço do tomate esteve vários meses em queda devido à boa produção nas principais regiões produtoras, mas as chuvas que atingiram essas regiões já começam a impactar nos preços, que estão apresentando significativas altas em alguns estabelecimentos varejistas registrando no mês em análise 21,14% quando comparado ao mês de outubro.

Com o final da safra da batata no mês de novembro, o produto apresentou elevação de 20,61%, – aumento já previsto o fim do mês de outubro. O açúcar também está mais caro para o consumidor campo-grandense. Os preços já haviam aumentado em outubro e em novembro subiram mais 4,73%. A análise dos técnicos da Semade, com base em informações do Cepea, mostra que isso se deve às usinas que vem escoando boa parte da produção para cumprimento de contrato, priorizando o produto etanol que tem aumentado sua participação no mix de produção.

O levantamento da Cesta Básica Alimentar realizado pela Semade baseia-se na pesquisa semanal de preços em vinte e seis estabelecimentos varejistas de Campo Grande, distribuídos em seis regiões (Centro I, Centro II, Norte, Sul, Leste e Oeste) sendo: supermercados, açougue, hortIfruti e panificadora em cada região.

Comentários

comentários