Políticos prestam depoimento em audiência sobre exploração sexual

Acontece nesta tarde na 7ª Vara Criminal, no Fórum de Campo Grande, a audiência sobre a suspeita de políticos da Capital participarem de uma rede de exploração sexual infantil.

Presidida pelo juiz Marcelo Ivo, comparece para esclarecimentos à Justiça os ex-vereadores Robson Martins, que chegou sozinho ao local; Alceu Bueno e o ex-deputado Sérgio Assis com seus respectivos advogados. Eles estão na sala do juiz com pelo menos uma das jovens com as quais eles teriam mantido relações sexuais, mediante pagamento em dinheiro.

Ex-vereador Alceu Bueno chega ao Fórum da Capital acompanhado de seus advogados
Ex-vereador Alceu Bueno chega ao Fórum da Capital acompanhado de seus advogados

Outros envolvidos no caso, o ex-vereador Robson Martins, e o suposto mentor de esquema, Fabiano Viana Otero, que está preso não compareceram.

Bueno, que renunciou ao mandato de vereador após a denúncia, não falou com a imprensa ao chegar para a audiência. Além de réu, ele também teria sido vítima do grupo, que o extorquiu para não revelar o envolvimento com adolescentes.

O promotor do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), Marcos Alex Vera, também vai acompanhar a audiência. Ele chegou a integrar o grupo especial para investigar suposta delação premiada de Otero, que se comprometeu em revelar provas contra mais 10 políticos envolvidos no escândalo.

Há especulações de que 40 pessoas foram convocadas para depor, entre elas vereadores da atual legislatura.

CASO

O escândalo de exploração sexual tornou-se público no dia 16 de abril deste ano, quando a Polícia deteve em flagrante o ex-vereador Robson Martins e o empresário Luciano Pageu no momento em que eles tentavam tomar dinheiro de Bueno. Após conversarem na praça de alimentação do hipermercado Walmart, os três rumaram para o estacionamento. No carro de Alceu, Luciano pegou envelope com R$ 15 mil. Em cédulas de R$ 50.

A dupla alegava que uma cafetina tinha vídeos de Bueno fazendo sexo com adolescentes. A mulher, segundo Robson e Luciano, exigia dinheiro para não divulgar as imagens. A dupla pedia o dinheiro para entregar a cafetina.

Bueno acionou a polícia, disse já ter pago R$ 100 mil a dupla, ele desconfiava que a cafetina fosse fictícia, ou seja, de que a chantagem era orquestrada por Robson e Luciano. Já sem recursos, ele acionou à polícia., tentando por fim à chantagem.

A essa altura, a polícia já investigava uma rede de prostituição de adolescentes. Vários vídeos das garotas mantendo relações sexuais já tinham sido apreendidos na casa de Fabiano Viana, que seria o agenciador das meninas, e estavam sob investigação.

O ex-deputado estadual Sérgio Assis, que teve nome citado durante as investigações prestou depoimento na Depca. Ele, assim como o vereador Alceu Bueno negam qualquer envolvimento com exploração sexual de adolescentes. O delegado não revelou o conteúdo das imagens na época.

Comentários

comentários