Polícia Militar Rodoviária apreende cargas de cigarros avaliadas em R$ 2,4 milhões

Foto: Divulgação/Sejusp
Foto: Divulgação/Sejusp

Em uma ação conjunta realizada entre integrantes do 13º Batalhão de Policia Militar e da Polícia Militar Rodoviária (PMRv), através da Base Operacional de Paranaíba, três veículos, sendo dois bitrens e uma carreta carregados de cigarros foram apreendidos no inicio da madrugada de hoje, (8), na MS-497, em Paranaíba

De acordo com os condutores, as cargas de cigarros contrabandeadas avaliadas em mais de R$ 2,5 milhões foram carregadas em um posto de combustíveis no município de Eldorado.

Os veículos que seguiam como batedores foram abordados por policiais do 13º BPM, na Avenida Getúlio Vargas, naquele município, quando seguiam sentido BR-158. Durante entrevistas, os condutores acabaram relatando ser batedores das cargas ilícitas.

No mesmo momento outra equipe abordou um Peugeot e uma carreta bitrem, cor vermelha, que seguiam sentido Minas Gerais, pela MS-497. Em vistorias foi constatado que a carga era de cigarros contrabandeados. De imediato os condutores receberam voz de prisão.

Durante as diligências os policiais localizaram no pátio de um posto de combustíveis de Paranaíba, outro bitrem com, placas de São Paulo e uma carreta Volvo, com placas de Santa Catarina, também carregados de cigarros contrabandeados do Paraguai. Os motoristas também foram presos.

Mais três veículos batedores, um Toyota Corola, com placas de Campinas (SP), um Ford Fiesta, com placas de Campo Grande e um Fiat Uno de Embu das Artes (SP), que também seguiam como batedores, foram apreendidos e os respectivos condutores presos. Em poder do grupo ainda foi apreendida a quantia de R$ 14, 6 mil em dinheiro.

Conforme apurado as cargas, 2.400 caixas de cigarros, avaliadas em R$ 2,4 milhões tinham destinos distintos, e seriam levadas para Minas Gerais, Bahia e São Paulo. As mercadorias, os veículos foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Federal de Três Lagoas, juntamente com os acusados, que foram autuados em flagrante.

Fonte: Joelma Belchior – Sejusp

Comentários

comentários