Polícia investiga morte de Índio em fazenda retomada em Antônio João

A polícia investiga a morte de um indígena após um grupo fazendeiros irem até a fazenda Fronteira, na região de Antônio João, neste sábado (29). Segundo informações do Departamento de Operações da Fronteira (DOF), o corpo estava todo ensanguentado e ainda não é possível dizer as circunstâncias da morte do indígena.

Fazendeiros e políticos se reuniram para debater conflito em Antônio João (Foto: Leo Veras/ Arquivo Pessoal)
Fazendeiros e políticos se reuniram para debater conflito em Antônio João (Foto: Leo Veras/ Arquivo Pessoal)

O coordenador da Fundação Nacional do Índio (Funai) de Ponta Porã, Helder Ribas, afirmou que a vítima foi morta com três tiros. Porém, o sargento Júlio Arguelho do DOF, que está na fazena Fronteira no município de Antônio João, distante 341 quilômetros de Campo Grande, informou que não viu nenhum ferimento no corpo que indique a causa da morte. No entanto, ele não descartou a possibilidade da vítima ter sido assassinada.

O sargento contou que o corpo foi entregue aos policiais por um grupo de indígenas por volta das 15h30, pouco depois da chegada de 40 fazendeiros para recuperarem a área. Naquele momento, aproximadamente 50 índios armados com flechas, facões e facas ocupavam a propriedade. Já o grupo de fazendeiros estava sem armas, segundo ele.

O indigena morto foi indentificado como um dos líderes da tribo, se trata de Semion Vilhava

“Os índios vieram de trás de uma casa próxima a um rio arrastando o corpo. Colocaram aqui perto da porteira onde nós estamos. O corpo está todo ensanguentado”, relatou o sargento.

O proprietário conseguiu chegar até a sede da fazenda com apoio do grupo e “por pouco não houve confronto com os indígenas”, destacou o sargento. Ao todo, desde às 13h30, 16 veículos dão apoio à segurança na área de conflito indígena, sendo 10 da Força Nacional, quatro carros do DOF, um da Polícia Militar e outro da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

O grupo de fazendeiros deixou a propriedade por volta das 16h escoltado pela Força Nacional. O proprietário e os índios permanecem na fazenda. A situação da área já foi controlada e não há informações de confronto.

GOVERNO

Em nota, o governo do Estado informou que a perícia está no local, que a área foi isolada e tão logo os levantamentos sejam feitos o corpo será encaminhado para o Instituto Médico Legal de Ponta Porã, para exame necroscópico que irá indicar as causas da morte.

No texto o governo do Estado afirma estar acompanhando “de perto e com muita atenção o desenrolar dos fatos e todas as comunicações e providências necessárias estão sendo adotadas junto ao Governo Federal com o objetivo de evitar confrontos e assegurar os direitos”.

Comentários

comentários