PM analisa imagens de drones e conta 100 mil pessoas na Capital

Em uma festa da democracia, com a participação de milhares de pessoas entre famílias, entidades de classes e grupos organizados na manifestação, contra a corrupção e pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), que ocorreu neste domingo, na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande, a Polícia Militar de Mato Grosso do Sul estimou em 100 mil pessoas o número de participantes.

PM usou imagens de drones para contabilizar 100 mil pessoas na manifestação desse domingo contra Dilma Foto Paulo Francis
PM usou imagens de drones para contabilizar 100 mil pessoas na manifestação desse domingo contra Dilma Foto Paulo Francis

A operação “Brasil Democrático” foi coordenada pelo Comando do Policiamento Metropolitano (CPM), sendo mobilizados mais de 500 policiais militares de diversas unidades, que se mantiveram em prontidão em todo o percurso do ato, garantindo a segurança de aproximadamente 100 mil pessoas.

A quantidade de pessoas superou a marca registrada no protesto de 15 de março do ano passado, quando de acordo com a PM, 60 mil pessoas foram para as ruas protestar. Para a contagem, foram utilizadas imagens aéreas.

Segundo o tenente-coronel Renato Tolentino, do Bptran (Batalhão de Policiamento de Trânsito), às 21 horas, após análise das imagens dos drones (veículo aéreo não tripulado e controlado remotamente por pessoas que estavam na manifestação) o número foi fechado em 100 mil participantes. Já a organização do evento fechou em 110 mil manifestantes.

O protesto ocorreu em clima tranquilo e com bom humor. No meio de faixas e cartazes, havia jararacas de brinquedo e o boneco “Pixuleco”, em alusão ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, outro alvo da manifestação.

Iniciada às 14h, com a concentração em dois pontos da avenida, a mobilização transcorreu sem problemas. Nos gritos de ordem, nas faixas e nos cartazes, o pedido de saída da presidente Dilma foi o mais recorrente. Mas houve quem pedisse intervenção miliar, em número bem pequeno, e quem lembrasse dos escândalos locais, também em menor quantidade.

A manifestação foi monitorada pela Diretoria de Inteligência da PM, com equipes que acompanharam o andamento da passeata, a fim de identificar indivíduos com potencial de promover desordem, e também contou com apoio do Comando do Policiamento Especializado (CPE) e o Centro de Ensino e Formação da PMMS (CEF).

Comentários

comentários