Pistoleiro de Beira-Mar e policial civil são carbonizados

Agentes da Policia Civil da cidade de Bela Vista e da Policia Técnica da cidade de Jardim, identificam corpos queimados na carroceria de uma camionete Toyota Hilux, cor prata, placas OOH-9993, de Campo Grande.

(Foto: Porã News)
(Foto: Porã News)

Tratam-se do ex-funcionário público, Alberto Aparecido Roberto Nogueira, 55 anos, vulgo Betão e do investigador da Polícia Civil Anderson Celin

Gonçalves da Silva (36). Betão atuou como pistoleiro do traficante Fernandinho Beira-Mar. A camionete com os corpos foram encontrados na manha desta quinta-feira, dia 21, perto de um lixão de Bela Vista, na MS 384. As circunstâncias das mortes estão sendo investigadas.

O veículo estaria em nome de Betão. Ninguém foi preso. Betão tinha várias passagens pela polícia pelos crimes de posse ilegal de armas e munição, contrabando, corrupção e por participação no homicídio de um policial militar e na tentativa de homicídio de outro policial militar assim como de um acidente com morte.

Ele foi réu no caso da morte do empresário Antônio Ribeiro Filho e do geólogo Nicolau Ladislau Haraly, o mesmo já tinha sido alvo de pistoleiros e seria integrante do crime organizado que atua na região de fronteira e no estado do Rio de Janeiro. A morte dos dois será investigada pelos agentes da Policia Civil de Bela Vista com apoio de grupos especiais da capital do Mato Grosso do Sul.

Comentários

comentários