PF, Receita e CGU fazem mega operação em construtora, casa de empresário e secretaria

A Polícia Federal, Receita Federal e CGU (Controladoria-Geral da União) realizam nesta quinta-feira (9) a Operação Lama Asfáltica, que cumpre 19 mandados de busca e apreensão em Campo Grande, visando obter detalhes de contratos com um dos maiores empreiteiros do Estado, João Alberto Krampe Amorim dos Santos.

PRF na casa de João Amorim, em Campo Grande
PRF na casa de João Amorim, em Campo Grande

Os prejuízos somam, aproximadamente, 11 milhões de reais, de um montante fiscalizado de 45 milhões de reais. Segundo a PF a organização atua no ramo de pavimentação de rodovias, construção de vias públicas, coleta de lixo e limpeza urbana.

Na avenida Ministro João Arinos, duas viaturas estão na empresa Proteco Construtora Ltda. No Parque do Poderes, equipes da polícia estão na Seinfra (Secretaria Estadual de Infraestrutura), responsável pela execução de obras. Os servidores foram dispensados. Policiais federais também estão na casa do empresário na Vila dos Vendas.

De acordo com a Polícia Federal, as investigações começaram em 2013 e apontaram existência de esquema de superfaturamento de obras “mediante prática de corrupção de servidores públicos e fraudes a licitações, ocasionando desvios de recursos públicos

Polícia Federal na Secretaria de Obras do governo de MS
Polícia Federal na Secretaria de Obras do governo de MS

De acordo com a assessoria de imprensa da PF, as equipes realizam “trabalhos” na cidade. Contudo, os dados da operação só serão divulgados quando todas as equipes retornarem à superintendência da Polícia Federal.

A Proteco executa principalmente obras de pavimentação, com muitos contratos milionários firmados com o governo do Estado e da Prefeitura, além do Aquário do Pantanal e ações de tapa-buraco.

No começo do mês, o MPE (Ministério Público Estadual) abriu investigação sobre a Proteco e e outras empresas de consultoria vencedoras de licitação que mantinham funcionários dentro da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) na gestão do ex-governador André Puccinelli (PMDB). A permanência de terceiros na repartição pública era garantida por meio de cláusulas contratuais.

Cerca de 80 policiais federais, 13 servidores da CGU e 25 da Receita Federal participam da execução da Operação Lama Asfáltica, que ocorre em Campo Grande.

Comentários

comentários