Petistas de MS não acreditam que Dilma escape de Impeachmant

PT_lA bancada de deputados estaduais do PT em Mato Grosso do Sul praticamente perdeu as esperanças e já não esperam mais a absolvição da presidente afastada Dilma Roussef. Os quatros parlamentares na Assembleia Legislativa apontam pouca esperança ou mesmo não acreditar mais no bom senso e Justiça dos Senadores, que devem concretizar o Impeachment. Pedro Kemp, Cabo Almi, Amarildo Cruz e João Grandão, mesmo que ouvidos pelo Página Brazil em separados, são quase unanimes em dizer que a injustiça irá prevalecer e a decepção nos políticos de Brasília, ficará para a triste história do Brasil. Kemp, em especial, lembra e aponta tristeza com os representantes do MS, que foram reconhecidos pelas gestões petistas, tanto em seus mandatos, como nos pleitos ao Estado instituição.

O Senado Federal aprovou na última quarta-feira (10) o relatório final que tornou Dilma ré em ação por crime de responsabilidade de um presidente da República. O processo deve encaminhar sua última etapa para votação final do Impeachment até o final deste mês. Nesta semana o placar da aprovação do relatório foi de 59 a 21 votos, que segundo analista deve ser repetido na decretação da retirada definitiva do cargo da presidente.

“Tenho pouca esperança de ser revertido este quadro que tramaram e conseguiram executar, contra não só a um governo, como a Democracia do Brasil. Não esperávamos ou não queríamos ainda acreditar, que desde o inicio, tudo foi arquitetado para derrubar mesmo o governo e mais ainda, todo projeto popular ou projeto de elevação social a qualquer brasileiro. Vai caber a Dilma, a defesa recorrer aos Tribunais nacional e internacional, como já apontaram, e não há outra alternativa. Isto não pela disputa de Poder, pois já até se colocou em fazer outra eleição, se fosse o caso. Mas, para recorrer e mostrar oficialmente o que chamamos de golpe, pois estão tirando o valor do voto, do Direito – não há crimes ou até ao contrario já se comprovou -, da moral e etc. E se criou ou se expôs a luz do dia, o ódio de classe, sem que ninguém impedia ou estragou, pelo contrario, também se elevou a elite do país”, avaliou Kemp. Pedro Kemp

O petista se disse extremamente de decepcionado com os senadores e políticos de MS, pois eles, como o Estado foram sempre muito beneficiados. “Eu fiquei ou ainda fico atônito, completamente decepcionado com nossos senadores, que ainda aparecem com mais destaque apontando ou fazendo este ódio transparecer. Mostrando erros não existente ou que também existem, mas tiveram a participação de todos eles, de todo o PMDB, que são de dois deles, que se beneficiou completamente nestes anos todos. Mas, querem e viram a precha para tomar todo o Poder. Os senadores de MS, o Estado, que foi muito beneficiado pelos governos ‘ditos agora só do PT’, em todos os aspectos: em recursos, político, cargos, eleitoral de cada um. É uma situação quase surreal, se não tivéssemos vivendo e vendo os resultados negativos que já estão vindo para o povo brasileiro”, afirmou Kemp.

Carta marca, mas precisaria de Outro caminho

Para Cabo Almi, é difícil modificar ainda o que já foi programado e aperfeiçoado durante o processo. Como também, que possivelmente será retirada a presidente, mas que o Brasil não melhorá e deve é piorar. “Me parece difícil reverter este jogo combinado pelo sistema político do subterrâneo, independente ou não desta ou daquela presidenta, ter realmente os crimes de responsabilidade. Construíram uma maioria para chegar até o fim da cassação em si e pronto. Todo um conjunto em torno que ainda contribuiu para eles terem umas justificativas que parecem ser natural e se transformou em verdades, que não se leva em conta tanto a parte judicial como a própria politica e institucional. E tudo isso, não melhora em nada o Brasil, mas sim piorará”, declarou.

Cabo AlmiAlmi lembra que apostaram em uma tabua de salvação, que será ou se reverterá ao contrario. “Mesmo que tudo fosse verdade, não poderiam ter apostado em um milagre, na tabua de salvação. Temer -presidente interino- vai assumir e concretizar o que já até mesmo não tendo todo o Poder, esta fazendo. Ele vai fazer reformas que vai penalizar o povo brasileiro e não vai adiantar, fazer efeito a Nação. Mas, já que fizeram isto, agora deveria ser visto outro caminho e não dar espaço para o Temer e este grupo”, disse.

Quanto aos senadores de MS, ele não se diz surpreso. “Dois são do PMDB e até por conveniência e subserviência devem seguir os lideres que arquitetaram tudo, não me surpreende não. Um pouco o Pedro Chaves, que é novo, poderia fazer alguma diferença,e , fa ou fez parte do lado, do campo do governo, mas que conhece diretamente as pessoas da Dilma, do Lula e parentes que também são supostamente envolvidos”, lembrou Almi.

O deputado João Grandão foi mais enfático e direto com o que já viveu na Câmara dos Deputados. Ele já foi deputado federal e falou com o que se constitui Brasília. “Infelizmente a Câmara, Senado já era e foi se corroendo ainda mais. E isto, não só diretamente pelos membros das Casas, mas até por muita coisa que vem de fora, de seus grandes lideres partidários. Este processo é cume da história recente do Brasil, que mesmo com a impensável ou sem Justiça cassação, mostra a carne do sistema politico. Ao menos espero que parte disso melhore, seja revisto e aperfeiçoado ou mesmo refeito”, disse.

O deputado Amarildo Cruz fez declaração semelhante dos colegas e lembrou de discursos que já fez na tribuna da Casa.

Comentários

comentários