Pesquisa mostra importância da mídia para sensibilização de jovens sobre DST, aids e hepatites virais

unaidsbrasil
Foto: Elis Tanajura/UNAIDS Brasil

Um novo relatório intitulado “A mídia brasileira enfocando os jovens como atores centrais na prevenção de DST/AIDS e Hepatites Virais” foi lançado na quarta-feira (17) pelo Departamento de DST/AIDS e Hepatites Virais (DDAHV) do Ministério da Saúde, em cooperação com a Organização das Nações Unidas para a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O documento reúne relatos de grupos de jovens e adolescentes, bem como de jornalistas que trabalham na mídia – coletados pela Agência de Notícias dos Direitos da Infância (ANDI) – sobre as suas percepções em relação à mídia e ações de prevenção para doenças sexualmente transmissíveis (DST), aids e hepatites virais.

“Sinto falta de uma mídia que aborde a questão da prevenção do HIV como um tema transversal”, disse um jovem ativista de direitos humanos de Porto Alegre.

“Os meios de comunicação precisam buscar uma linguagem capaz de alcançar diretamente a juventude, que seja menos impositiva e mais acessível. Só o ‘use camisinha’ não tem funcionado. Além disso, hoje os jovens acessam as informações pela internet, por blogs que muitas vezes trazem conteúdos pouco qualificados”, disse a oficial de Programa do setor de Educação Preventiva da UNESCO no Brasil, Mariana Braga.

“O aumento de novas infecções pelo HIV no Brasil despertou o debate sobre a importância da mídia na disseminação de informações de qualidade sobre prevenção, tratamento e serviços relacionados ao HIV”, lembrou Georgiana Braga-Orillard, diretora do UNAIDS no Brasil. “O lançamento deste relatório reflete esta preocupação.”

A publicação pode ser utilizada como uma importante ferramenta de consulta, trazendo sugestões de estratégias para ampliar a cobertura pelos meios de comunicação sobre temas como DST e aids.

ONU

Comentários

comentários