Período crítico faz Defesa Civil reforçar monitoramento em municípios de MS

Da Redação/JN

Considerado período crítico para a ocorrência de desastres naturais, a estação das chuvas em Mato Grosso do Sul fez a Defesa Civil dar início ao reforço no monitoramento dos 79 municípios. Desde o início do mês, são acompanhados diariamente tanto os alertas emitidos por órgãos oficiais quanto os índices pluviométricos e o nível de todos os rios do Estado.

“Nós estamos entrando num período crítico para efeito de Defesa Civil, um momento que estatisticamente nós temos um maior número de incidência de eventos adversos”, explica o coordenador da Defesa Civil do Estado, coronel Isaías Ferreira Bittencourt, sobre a temporada que inicia neste mês e segue até fevereiro.

De acordo com ele, os eventos adversos mais comuns em MS nesse período são vendavais, chuvas intensas, inundações por conta do transbordamento dos rios e chuvas de granizo que normalmente acompanham as tempestades e vendavais causando danos.

O reforço do monitoramento é feito na sala de situação, na Governadoria, onde os técnicos da defesa acompanham diariamente alertas emitidos por órgãos como o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), ligado à Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, do Ministério da Integração Nacional.

Outras estações também servem de subsídio para embasar os alertas estaduais, como o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Já os índices pluviométricos são medidos por estação meteorológica situada em Jaraguari, vinculada ao Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

Nas regiões onde houve incidência de desastres, como no sul do Estado, a atenção é redobrada. “Esse é um momento importante para focar nas áreas de risco, onde já têm histórico de alagamento ou inundação com o transbordamento dos rios. A gente fazer aí o acionamento rápido dessas comunidades no caso de um alerta de transbordamento de rios”, detalha.

Em tempo real são acompanhados os níveis da água no leito dos rios, informação disponibilizada tanto pela Agência Nacional de Águas (ANA) quanto pela sala de situação virtual do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul).

“Fazemos um monitoramento nesse sentido repassando as informações compiladas para os municípios para evitar principalmente danos humanos e surpresas”, detalha Bittencourt. Além dos dados, a defesa estadual mantém equipe de prontidão para dar suporte aos municípios do interior quando se faz necessários.

O auxílio varia desde a entrega de ajuda humanitária ao apoio na preparação dos documentos necessários para decretar situação de emergência. Todas as medidas visam prioritariamente garantir a segurança da população, seguidas do apoio para recuperação das áreas atingidas.

Comentários

comentários