Pedro Chaves é contra o projeto Escola sem Partido

Da Redação/JN

O senador professor Pedro Chaves (PSC/MS) é contra o Projeto de Lei 865 /2015, em tramitação na Câmara Federal, que pretende incluir nas diretrizes e bases da educação nacional o Programa Escola Sem Partido.

Pedro Chaves durante entrevista ao programa Tribuna Livre

Entre outras medidas, o programa torna obrigatória a afixação em todas as salas de aula do ensino fundamental e médio de um cartaz com obrigações para os professores, que ficariam impedidos de expressar sua opinião sobre temas debatidos durante a aula.

“Eu não comungo com essa ideia da escola sem partido, porque ela anula a participação do professor. Você não pode transformar um educador num robô. Imagine um professor que vai dar aula de Filosofia. Não é possível, por exemplo, falar sobre Teoria Socrática sem que haja o comentário do professor em relação ao que é a teoria de Sócrates . Mas é sempre importante que o professor emita sua opinião sem doutrinação, sem ideologia. Na verdade, ele tem que mostrar a experiência adquirida. E não podemos esquecer que quando se lê um livro tem sempre o viés do autor, que coloca seu ponto de vista. O professor faz comentários e isso enriquece a obra”, ponderou o senador, durante entrevista concedida nesta segunda-feira (14) ao programa Tribuna Livre, da Rádio FM Capital, de Campo Grande. Pedro Chaves é professor há mais de 50 anos é dedicou toda sua vida profissional à educação.

Reforma Política – O senador também se posicionou contra uma das medidas previstas na Proposta de Emenda Constitucional 77/2003, que trata da Reforma Política, em tramitação na Câmara, que propõe a criação de um fundo , com recursos públicos, no valor total de R$ 3,6 bilhões, para financiar a campanha eleitoral do ano que vem.

“O país está lutando para sair da crise e, num momento como esse, não é possível o trabalhador se esforçar para pagar seus impostos e isso ser gasto em propaganda eleitoral. Já expressei minha opinião aos demais senadores e alertei que se a PEC chegar ao Senado com esse ítem podem ter a certeza que votarei contra”, garantiu Pedro Chaves.

Comentários

comentários