“Pedido de afastamento do prefeito é improcedente”, comenta Pedra

O Secretário de Governo do município, Paulo Pedra, em entrevista ao programa Tribuna Livre e ao Página Brazil, comentou na manhã desta quarta-feira (7), sobre o pedido de afastamento do prefeito Alcides Bernal (PP) por improbidade administrativa feita pelo Ministério Público Estadual (MPE).

Foto: Arquivo / Paulo Francis
Foto: Arquivo / Paulo Francis

Segundo o secretário, a pedido do MPE é improcedente e comparou os gastos realizados pela prefeitura com os prefeitos anteriores. “A nova administração gastou muito menos com limpeza de postos, merenda escolar e gás, que foram as acusações que fizeram contra ele. Houve uma economia para os cofres públicos”, relatou Paulo pedra.

De acordo com a Lei Orgânica do Município, os vereadores podem novamente cassar o mandato do prefeito Alcides Bernal, assim como ocorreu em março de 2014.

O secretário também falou sobre os buracos nos asfaltos que estão causando transtornos para a população de Campo Grande. Segundo Pedra, a prefeitura está analisando a melhor maneira de resolver o problema, mas de uma maneira mais barata. “Hoje, são gastos de R$ 7 a R$ 10 milhões por mês com tapa-buracos. Isso é um problema que acontece há muitos anos. Os buracos são fechados hoje, mas abrem amanhã. Estamos buscando um serviço adequado, mas que o valor não seja exorbitante”, finalizou.

O secretário disse que a ideia seria pagar a metade desse valor, porém com maior qualidade do material utilizado e, ao mesmo tempo a prefeitura faria o recapeamento das ruas, possibilitando maior durabilidade do asfalto. “É muito melhor pagarmos a metade do que era gasto para tapar os buracos e a outra parte investimos no recapeamento das vias”, destacou.

Paulo Pedra também pediu paciência aos colegas vereadores, com quem ele disse que o Executivo pretende ter uma relação harmônica e de independência entre os poderes. “Peço apenas que os vereadores aguardem o prefeito ter a administração na mão para que possa melhorar a relação com a Câmara”, comentou, alegando que até o momento o Executivo estaria se inteirando das condições financeiras para resolver os problemas mais urgentes à população.

Kerolyn Araujo

Comentários

comentários