Paulo Nobre estuda processar torcedores por briga em Brasília

O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, afirmou nesta segunda-feira que estuda processar os torcedores que se envolveram em briga no estádio Mané Garrincha, em Brasília, no último domingo, durante partida contra o Flamengo, pelo Brasileirão.

– Não descartamos acionar na Justiça os bandidos que se envolveram na briga por mancharem o nome do clube e por eventuais prejuízos – afirmou.

O dirigente, porém, admite que em casos como esse é difícil individualizar a autoria da confusão num processo judicial. Mesmo assim, vai consultar o departamento jurídico do clube. A PM deteve 30 palmeirenses após confusão.

Outra providência que Nobre tomará, essa mais ao alcance do clube, é expulsar os brigões do programa de sócios-torcedores.

– Dei autorização para que os vândalos que forem identificados e comprovadamente culpados pela briga sejam expulsos do programa Avanti. Não queremos no nosso programa de sócios esses bandidos que se acham mais torcedores que os verdadeiros palmeirenses.

A assessoria do Palmeiras informou que os 30 torcedores que foram detidos em Brasília e que tiveram seus nomes registrados no Boletim de Ocorrência já estão com as contas bloqueadas.

Paulo Nobre não acredita que o clube perderá até dez mandos de campo como punição pelas brigas. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva denunciou Verdão e Flamengo nesta segunda.

– Não acho que seremos punidos porque o tribunal, que deve representar sempre a opinião pública, levará em conta o esforço que o Palmeiras tem feito desde 2013 para combater a violência das torcidas organizadas. Nós temos feito tudo o que está ao nosso alcance para que cenas lamentáveis como aquelas não aconteçam mais – disse. (Globo Esporte)

Comentários

comentários