Para Siufi, desde o fim da intervenção as dificuldades da Santa Casa são as mesmas

Para o vereador Paulo Siufi (PMDB), membro da Comissão de Saúde da Câmara Municipal, a proposta do presidente da Casa, vereador Mário César (PMDB) de apresentar uma emenda que destine restos do Orçamento Municipal de 2014 para complementar os R$ 3 milhões/mês por três meses, quando a Santa Casa pede R$ 4 milhões por mês, por um ano, para a manutenção dos serviços prestados,  “pode resolver emergencialmente, mas não resolve o problema definitivamente’, diz.

Siufi afirmou que desde o término da intervenção no hospital, e da administração tripartite (com representantes dos governos federal e estadual e da administração municipal) “as dificuldades na administração do hospital parecem continuar as mesmos”. Para o vereador, ‘esses problemas tendem a aumentar com o anúncio do governo federal de mudanças na atenção às Santas Casas de todo o país”.

Por outro lado,Siufi, que é da base aliada do prefeito, disse que espera a vinda de Gilmar Olarte à Casa para mais esclarecimentos sobre a origem das dificuldades financeiras da prefeitura.

O hospital suspendeu hoje o atendimento ambulatorial por conta do vencimento do contrato de prestação de serviço entre o hospital e a prefeitura,.

O contrato venceu no último dia 7 de abril e desde então está sendo negociada a renovação. O município propôs a manutenção dos valores acertados em dezembro de 2014, o equivalente a um incremento de R$ 3 milhões no contrato. Do total, R$ 2 milhões seria para atendimentos de média complexidade e R$ 1 milhão para alta complexidade. A Santa Casa pede R$ 4 milhões.

O serviço ambulatorial é de média complexidade e causará um impacto considerável para os mais 4.500 pacientes por mês.

Comentários

comentários