Para Delcídio, “todo cuidado é pouco” com reforma ministerial

O líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), disse ontem (24) que “todo cuidado é pouco” com a reforma ministerial. Para ele, a presidenta Dilma Rousseff acertou ao deixar a conclusão das mudanças na Esplanada para a próxima semana, quando retornar dos Estados Unidos. Ele alertou que a precipitação de decisões poderia “desandar” o que está caminhando bem. “Todo o cuidado é pouco para, em função de mudança ministerial, a gente não criar outros problemas, e não fazer injustiça com quem acompanhou o governo até hoje”, afirmou.

25cuidado

As declarações foram feitas depois de uma reunião do líder com o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). Segundo Delcídio, o peemedebista está tranquilo na relação com o Planalto e sinalizou que “não quer criar problemas com o governo”.

Segundo o senador, Dilma tem mantido conversas frequentes com a base aliada, mas ainda não conseguiu um redesenho sobre a extinção das dez pastas anunciadas – ou nomes dos que vão integrar o governo – que agrade a todos. Delcídio disse que essas negociações têm que ser baseadas em conversas políticas que fortaleçam a base aliada, tanto no Senado quanto na Câmara, onde as relações com o governo andaram tensas há algumas semanas.

Sobre as negociações com peemedebistas que querem ser contemplados na mudança ministerial, Delcídio informou que estão sendo conduzidas pelos líderes e citou conversas recentes entre Dilma e o senador Eunício Oliveira (CE), que foi ministro das Comunicações no governo Luiz Inácio Lula da Silva. O petista ainda minimizou rumores de tensão com a Câmara. “Pelo que sei, o líder na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), está conversando com o governo para indicar nomes para os ministérios”, disse.

Comentários

comentários