Palmeiras vence o Botafogo e fica muito perto do título do Brasileirão

Para encerrar um jejum de 22 anos, o que são mais alguns dias de espera? Neste domingo, o Palmeiras fez sua parte no Allianz Parque e venceu o Botafogo por 1 a 0, mas, para gritar sem medo que é campeão brasileiro pela nona vez, terá que aguardar a 37ª e penúltima rodada do campeonato.

ESPN
ESPN

Dos três resultados necessários para a disputa pelo título ter um desfecho já neste final de semana, somente a vitória do Palmeiras aconteceu. No Mineirão, o Santos tropeçou, é verdade, mas o empate em 2 a 2 com o Cruzeiro já impediu qualquer combinação favorável ao líder.

O Flamengo ainda entra em campo, às 19h30 (de Brasília), e também poderá seguir na briga em caso de vitória. Neste momento, o Palmeiras ampliou sua vantagem na ponta para seis pontos, com 74 contra 68 do Santos, enquanto o Flamengo pode assumir a vice-liderança indo a 69 se vencer o Coritiba.

Agora, ao menos, o Palmeiras não depende de mais nada, além de sua própria vitória, para soltar o grito da garganta no próximo domingo. Bastam os três pontos – ou talvez até um -, novamente em casa, contra a Chapecoense, às 17h (de Brasília) – no Maracanã, Flamengo e Santos farão duelo direto no mesmo horário.

Não foi fácil para chegar até essa situação, é verdade. Diante de um Allianz Parque lotado, dentro e fora do estádio, o Palmeiras dominou o Botafogo no primeiro tempo, mas só foi conseguir abrir o placar aos 17 do segundo, quando Dudu, com 1,67m, subiu sozinho na área para cabecear para o fundo do gol.

O curioso é que o tento que fez o Allianz Parque ir ao delírio saiu exatamente no mesmo instante em que Ricardo Oliveira virava o placar no Mineirão em favor do Santos. O palmeirense que segurava a respiração até o cruzamento de Gabriel Jesus encontrar o companheiro, porém, nem se importou.

É verdade que o primeiro grande momento de explosão em São Paulo veio graças a um gol no Mineirão. Eram cerca de 20 minutos de bola rolando quando o telão da arena anunciou que o Cruzeiro abrira o placar. Um passo importante rumo ao título já neste domingo, mas ainda faltava o principal.

Nos 45 minutos iniciais, o Palmeiras teve sua melhor chance de abrir o placar com Gabriel Jesus, que apareceu sozinho – impedido, é verdade – na pequena área após cabeceio de Roger Guedes, mas não conseguiu finalizar. A bola apenas bateu no atacante e saiu à esquerda de um gol já aberto.

O Botafogo, que teve apenas 30% de posse de bola no primeiro tempo, também ameaçou. O zagueiro Joel Carli, inclusive, talvez tenha tido a melhor chance do período, já aos 44 minutos. A falta de cacoete de atacante, porém, deve ter pesado, já que argentino se atrapalhou todo para empurrar para as redes.

No segundo tempo, curiosamente, os visitantes eram melhores quando o Palmeiras marcou. Foram diversas boas oportunidades, com Emerson, Neílton e Camilo, mas quase todas pararam em Jaílson. Depois do gol de Dudu, o ritmo da partida caiu, apesar de o Botafogo ainda ter conseguido assustar.

Nenhum suspiro de alívio, porém, foi tão grande quanto a festa da torcida do Palmeiras ao ouvir o apito final. O título, que já foi conquistado outras oito vezes, mas que não vem desde 1994, está muito perto. Afinal, diante de 22 anos, o que são mais uma semana e 90 minutos?

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 1 X 0 BOTAFOGO

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data: 20 de novembro de 2016, domingo
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva e Bruno Raphael Pires (ambos de GO)
Público: 39.690
Renda: R$ 3.174.042,74
Cartões amarelos: Emerson Silva, Sassá, Fernandes (Botafogo)
Cartão vermelho: Leandrinho (Botafogo)

GOL: PALMEIRAS: Dudu, aos 17 minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Jailson; Jean, Yerry Mina (Thiago Martins), Vitor Hugo e Zé Roberto; Tchê Tchê (Gabriel), Moisés e Cleiton Xavier (Alecsandro); Róger Guedes, Dudu e Gabriel Jesus
Técnico: Cuca

BOTAFOGO: Sidão; Alemão (Fernandes) (Leandro), Joel Carli, Emerson Silva e Diogo Barbosa; Emerson Santos, Dudu Cearense (Sassá), Rodrigo Lindoso e Camilo; Neilton e Rodrigo Pimpão
Técnico: Jair Ventura

Comentários

comentários