Pai finge ser filha na internet e ajuda polícia a prender pedófilo

O pai de uma menina de nove anos se passou pela filha nas redes sociais e ajudou a Polícia Civil de Juiz de Fora a deter um homem de 40 anos por tentativa de estupro de vulnerável nesta quarta-feira (12).

13fingeO suspeito ainda foi preso por disponibilizar filmagens com conteúdo de sexo explícito com crianças e abandono de incapaz, já que deixou o filho autista de cinco anos sozinho em casa quando foi ao suposto encontro com a menina.

O caso foi descoberto porque o pai da menina viu a conversa entre a criança e o homem em uma rede social. Neste período, o suspeito enviou vários vídeos e fotos de sexo explícito de adultos com crianças e mensagens dizendo o que os dois fariam quando se encontrassem.

“Ele foi um pai extremamente presente e atento. Ele acompanhava o que a menina fazia nas redes sociais, estranhou a conversa e agiu. O pai nos informou e passou a senha para a gente seguir as interações entre ele e o suspeito. Nós o orientamos em todo o processo. A atitude dele foi fundamental para proteger a filha”, afirmou a delegada de Mulheres, Ione Maria Moreira, responsável pelo caso.

Desde então, ele assumiu o lugar da filha e conversou com o homem, que marcou um encontro em uma padaria nesta quarta-feira. Segundo a Polícia Civil, o homem explicou em mensagens como a menina poderia identificá-lo, mandando uma foto dele e informando as características do carro onde ele estaria.

“No momento da ação, os policiais à paisana e o pai da menina ficaram à espreita enquanto a menina entrou no estabelecimento comercial. O suspeito ficou dentro do carro e foi abordado pelos policiais”, explicou a delegada.

Após ser detido, o homem negou os crimes em depoimento. “Quando mostramos que sabíamos de todas as informações, fotos e vídeos que ele mandou para a menina, ele admitiu que tinha enviado. Ele só não confirmou que pretendia ir até o final com a criança”, explicou.

A delegada ainda disse que se surpreendeu ao chegar à casa do suspeito no Bairro Linhares para apreender o computador. Lá ela descobriu que o suspeito havia deixado o filho autista, de cinco anos, sozinho. “Foi extremamente triste. O menino estava sozinho, no escuro, com fome. A esposa trabalha o dia inteiro e ele é o responsável por cuidar da criança”, lamentou. A criança foi entregue aos cuidados da mãe e da avó.

O computador será encaminhado para a perícia. No entanto, os policiais já têm o material que ele pensava estar enviando para a menina. “Ele explicou que não mandaria pela rede social e pediu o e-mail dela. Nós temos as fotos e os vídeos das cenas explícitas entre adultos e crianças. Temos ele marcando o encontro e orientando que ela fosse de short curto e roupa larga. A Justiça vai avaliar a necessidade de manter este homem preso durante o andamento do inquérito”, destacou a delegada.

O prazo para concluir a investigação do caso é de dez dias. Um dos pontos a serem apurados é se o homem fez contato com outras crianças pelas redes sociais. “Ele fez um perfil falso e tem várias crianças entre os amigos. Vamos verificar se ele procurou outras crianças e o que ocorreu”, disse.

O homem teve o flagrante confirmado e foi levado para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) de Juiz de Fora.

G1

Comentários

comentários