‘Pai das UPPs’ defende aumento da ação das Forças Armadas no RJ

BBC Brasil / SF

Ex-secretário de Segurança do Rio de Janeiro e ‘pai das UPPs, Beltrame defendeu o aumento da ação das Forças Armadas – Foto: Agência Brasil

O ex-secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, disse que para responder à recente escalada de violência no Estado é hora de “repensar o papel do Ministério da Defesa” e “pactuar um alcance maior das responsabilidades das Forças Armadas”.

“Já que não há dinheiro, vamos usar os recursos que temos para fazer o que for possível”, afirma, ressaltando não se tratar de defesa do Exército no policiamento de ruas, mas de “sentar para conversar” e unir forças.

Delegado aposentado da Polícia Federal, Beltrame, de 60 anos, deixou o governo em outubro do ano passado, após dez anos de gestão, quando a calamidade financeira do Estado já era conhecida e as taxas de criminalidade se encontravam em franca ascensão.

Ele diz que o problema, impulsionado pela crise financeira, é nacional, e que nem o Rio nem outros Estados tomados por dívidas – como Rio Grande do Sul e Minas Gerais – sairão da atual situação sem ajuda do governo federal.

O gaúcho Beltrame foi secretário de Segurança Pública do Rio entre 2007 e 2016, durante toda a gestão de Sérgio Cabral (PMDB), hoje preso e alvo de 11 denúncias de corrupção. Ele afirma que nunca teve “noção” das irregularidades e diz ver com muita tristeza o que acontecia.

Em entrevista à BBC Brasil, Beltrame diz ter largado de vez o serviço público e se diz aliviado com a nova rotina no setor privado. É consultor de segurança corporativa da Vale, e viaja frequentemente para acompanhar operações da mineradora em locais como Pará, Maranhão e Moçambique.

Apesar da situação crítica enfrentada pelo Rio, Beltrame defende o seu legado. Afirma que trouxe “esperança” e que as UPPs – as Unidades de Polícia Pacificadora instaladas dentro de favelas, o principal marco de sua gestão – devem ser mantidas.

Comentários

comentários