ONU prevê novo recorde mundial de temperatura para 2016

Power Station - United Kingdom
O efeito estufa é o principal causador do aumento na temperatura (Foto: Divulgação)

O mundo muito provavelmente voltará a bater o recorde de temperatura em 2016, com uma média de 1 a 2 ºC em relação ao nível da era pré-industrial, anunciou nesta segunda-feira (14) a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

“Se isso for confirmado, o século XXI terá registrado 16 dos 17 anos mais quentes desde que tiveram início os registros de temperatura no mundo, no final do século XIX”, informou a OMM, que é subordinada às Nações Unidas.

“Tudo parece indicar que 2016 será o ano mais quente já registrado até agora, superando os dados do ano anterior”, disse a organização em um comunicado durante a conferência da ONU sobre o clima (COP22), que está sendo realizada em Marrakesh.

Aumento da temperatura

A tendência de aquecimento aumentou em 2015 e 2016 devido ao El Niño, o fenômeno meteorológico que afeta o Pacífico, explicou a OMM.

A cada cinco anos aproximadamente, o El Niño provoca um aumento das temperaturas, através de correntes de ar quente.

Os índices relativos às mudanças climáticas também bateram recordes, alerta a instituição.

O sinal mais evidente da aceleração do fenômeno é a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera.

Efeitos

A calota polar do Ártico encolheu até níveis desconhecidos, e regiões inteiras da Groenlândia sofrem longas épocas de degelo.

“Em algumas regiões árticas da Federação Russa, a temperatura foi entre 6ºC e 7ºC acima do normal”, destacou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas.

“E em muitas regiões árticas e subárticas da Rússia, Alasca e noroeste do Canadá, a temperatura ultrapassou o nível normal em ao menos 3ºC”, acrescentou o texto, que ressalta que “até agora, os recordes de calor eram expressados em frações de grau centígrado”.

A única região continental onde a temperatura foi inferior à normal está situada na zona subtropical da América do Sul, no norte e centro da Argentina e em partes do Paraguai e da Bolívia.

Comentários

comentários