Olimpíada do Rio terá uso de internet quatro vezes maior que em Londres

O tráfego de dados esperado para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro deverá ser quatro vezes maior que o registrado há quatro anos, em Londres, especialmente com o envio de fotos e vídeos. É que, além do uso maior de equipamentos como tablets e smartphones, o hábito de muita gente mudou: atualmente, todos querem compartilhar instantaneamente suas experiências.

“Hoje em dia, qualquer lugar que você vá a um evento esportivo ou a um show, nos primeiros minutos e durante grande parte deles, o pessoal está filmando e tirando fotos e se comunicando imediatamente; isso já está na cultura do proveito do evento poder realizar esse tipo de atividade”, disse o secretário de Telecomunicações do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Telecomunicações (MCTIC), André Borges, à Agência Brasil.

Enquanto em Londres foram transmitidos 60 gigabits (GB) de informações por segundo, no Rio de Janeiro o tráfego deve chegar a 240 GB por segundo.

A expectativa do governo é que não haja problemas no uso das tecnologias de telefonia e internet móvel durante a Olimpíada. Segundo Borges, todos os investimentos previstos para serem feitos pelas operadoras foram realizados e as atividades de planejamento e execução foram concluídas no prazo. “A nossa expectativa é que tudo corra bem, com um bom padrão de normalidade e funcionamento com qualidade”.

Segundo ele, foi feito um reforço das redes de transporte e de acesso para o aumento da capacidade de tráfego de dados. Além disso, da mesma forma como foi feito durante a Copa do Mundo de 2014, as operadoras de telefonia instalaram infraestruturas temporárias móveis para reforçar o sinal em áreas externas, que serão desmontadas depois dos Jogos. Dentro dos locais de competição, as empresas compartilharam a infraestrutura de cabos e antenas para a oferta de telefonia e internet móvel.

Problemas à vista

Apesar da expectativa positiva do governo, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) prevê que o uso dos serviços de telecomunicações durante a Olimpíada pode apresentar problemas. A maior dificuldade, de acordo com o pesquisador em telecomunicações do Idec, Rafael Zanatta, será para acessar a tecnologia 4G. É que em parte da cidade o 4G não está disponível ou tem sinal muito fraco, o que faz com que o acesso à internet seja feito por meio do 3G, que é mais lento.

“Isso pode ser especialmente problemático quando você tem uma grande concentração de pessoas em um mesmo local, como é o caso da Olimpíada. Além de não ter disponibilidade de rede 4G para aqueles que estão conectados, pode haver um congestionamento, um número muito grande de pessoas tentando compartilhar o sinal da mesma antena, o que a tecnologia não suporta”, explica Zanatta.

O especialista cita um estudo da empresa britânica de monitoramento e performance OpenSignal, que avaliou a oferta de internet móvel no Brasil, e aponta que, apesar dos investimentos feitos pelas operadoras de telefonia em cabos de fibras ópticas e antenas para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a disponibilidade e a velocidade da internet pela tecnologia 4G “deixam muito a desejar”. A análise mostrou que, em algumas regiões do Rio de Janeiro, o sinal de internet é fraco, o que pode trazer problemas quando houver grande concentração de pessoas.

“O sinal e a disponibilidade de internet em Ipanema e Copacabana está indo muito bem. Mas, para a região de Deodoro, onde há um complexo esportivo, ou para Jacarepaguá, os sinais estão muito ruins. Então, dependendo de onde será o evento esportivo, pode ter gente que não conseguirá se conectar e terá muita lentidão para transferir fotos, acessar redes sociais e usar a internet para questões básicas”, diz Zanatta.

Para o especialista, os Jogos Olímpicos vão ser a prova de fogo para os investimentos que foram feitos pelas operadoras de telefonia. “Não é possível dizer que vai ser um fracasso, que haverá grandes problemas, mas os relatórios têm mostrado que o investimento não foi feito ao ponto de garantir disponibilidade das redes 4G o tempo todo”

Operadoras fazem investimentos

As empresas Claro, Embratel e NET, do grupo America Móvil, são as patrocinadoras oficiais de serviços de telecomunicações da Olimpíada do Rio, e serão responsáveis por todos os serviços de telecomunicações que dão suporte aos Jogos. O grupo diz que investiu R$ 30 milhões no Brasil nos últimos três anos, sendo que grande parte foi direcionada para a infraestrutura dos Jogos.

A Embratel irá disponibilizar uma rede com mais de 370 quilômetros de fibras ópticas, com velocidade de 40 gigabits por segundo. A empresa também fornecerá a rede que captará os sinais de vídeo de todas as competições esportivas para entregar ao centro de transmissão internacional, de onde sairão imagens para aproximadamente 5 bilhões de telespectadores de 200 países

A Telefônica Vivo informou que está trabalhando para ampliar a cobertura nas áreas onde haverá disputas nas regiões da  Barra da Tijuca,  Deodoro, Estádio  do Engenhão, Maracanazinho e Sambódromo. O reforço da cobertura atinge também a Cidade Olímpica, com aumento da capacidade de banda larga. A operadora também desenvolveu projetos específicos para aumentar a capacidade de cobertura em toda a cidade.

A TIM informou que já instalou no Rio de Janeiro 100 biosites, que são estruturas parecidas com a de postes de iluminação, onde são instaladas as antenas da operadora. A empresa diz que ampliou sua capacidade de rede em locais distribuídos estrategicamente nas rotas de mobilidade urbana e pontos de grande concentração durante as disputas do evento esportivo. A TIM também vai reforçar a cobertura em toda a região metropolitana do Rio de Janeiro, com destaque para as áreas de maior circulação de turistas.

A Oi diz que instalou novas antenas e aumentou a capacidade de estações já existentes para atender ao aumento da demanda por cobertura móvel e garantir que o cliente possa fazer chamadas e usar as redes 3G e 4G em todos os locais de competição. A empresa ampliou a cobertura móvel, com antenas definitivas e provisórias nos locais de competições e em áreas como aeroportos e rodoviária. Como a Oi foi a patrocinadora e fornecedora de serviços dos Jogos Pan-Americanos de 2007 e da Copa do Mundo de 2014, a empresa diz que já tem como legado a presença em alguns locais que serão utilizados também na Olimpíada.

As operadoras instalaram centrais de monitoramento no Rio de Janeiro. Além disso, equipes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Telecomunicações e da Agência Nacional de Telecomunicações estarão na cidade para acompanhar o funcionamento dos serviços de telecomunicações durante a Olimpíada. “Estaremos sempre a postos para apagar qualquer incêndio”, diz André Borges.

Agência Brasil

Comentários

comentários