Novas mostras abrem II Temporada de Exposições 2016 do Museu de Arte Contemporânea

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Com duas novas mostras, o Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul abre nesta terça-feira(21), a Segunda Temporada de Exposições 2016. Subúrbio, fotografias de Bruno Veiga (Rio de Janeiro/RJ) e Formas D’água – Reflexão por Transparência, pinturas de Patrícia Claro (Santiago/Chile), estarão em exposição até 21 de agosto, com entrada franca.

Subúrbio leva ao Museu de Arte Contemporânea o olhar sutil e poético do fotógrafo carioca Bruno Veiga, que transforma com sensibilidade imagens em fotografias, dialogando com o trivial do cotidiano da periferia carioca. “Engana-se quem pressupõe que a mostra é regional e que retrata algo peculiar e restrito ao Rio de Janeiro e seu entorno, muito pelo contrário. As imagens expostas poderiam ter sido captadas em subúrbios de qualquer outra cidade brasileira. Como cada um de nós traz um pouquinho de subúrbio na alma ouso afirmar que todos que visitarem a mostra, venham de onde vierem, se identificarão com muitas das imagens expostas e nelas encontrarão um pedacinho de si mesmo”, avalia Carlos Bertão, curador da exposição.

Acervo / Bruno Veiga
Acervo / Bruno Veiga

Bruno Veiga já realizou exposições em vários museus e galerias do Brasil e em diversos outros países como França, Portugal, Argentina; tendo obras em acervos de espaços como a Maison Europèene de la Fotographie, o Museu de Arte Moderna – MAM e o Museu de Arte do Rio (MAR). Em 2013 recebeu o prêmio Fotografias Ensaios e tem três livros publicados que mostram parte de sua obra.

No dia 22 de junho, logo após a abertura da Temporada de Exposições, Bruno participará de duas visitas mediadas à mostra: a primeira às 9 horas e a segunda às 14 horas. Às 18h30, no Sesc Morada dos Baís, acontecerá uma mesa redonda com participação da crítica de arte Maria Adélia Menegazzo e do professor Rafael Maldonado (UFMS) em que será discutida a “Fotografia Contemporânea”. A mediação será do curador Carlos Bertão. Este evento será precedido pelo lançamento do livro de Bruno Veiga, Subúrbio, que contém fotografias da série de mesmo nome, exposta no Marco.

Acervo / Bruno Veiga
Acervo / Bruno Veiga

Com curadoria de Rafael Raddi e Xenia Bergman, a exposição, Formas D’água – Reflexão por Transparência, pinturas da artista chilena Patrícia Claro, apresenta o resultado da sua residência realizada com o auxílio do ICMBIO – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, em que a artista pesquisou o famoso ecossistema de Bonito, culminando na série Águas Perdidas. Após estudar as várias acepções que tomavam o rio em seu trajeto, escolheu fixar o interesse da sua representação nas chamadas Lagunas Perdidas, nome dado a este lugar quase virgem e que fundamenta parte de seu objeto de estudo.

A artista se depara pela primeira vez com um rio que não está situado no Chile e que provém do Aquífero Guarani, o maior manancial de água subterrânea do mundo. Estas lagunas ostentam uma profundidade e transparência que chegam a ser, ao dizer da artista, um verdadeiro mosaico com capacidade extrema de absorver e recriar camadas aquosas e tudo o que está ao seu redor.

Acervo / Patrícia Claro
Acervo / Patrícia Claro

“Na obra de Patrícia o destaque foi concedido às cores e à ramagem formada pelos juncos, vegetação que oscila dentro e fora da água. Seu método é seguir a luz em verticalidade até o mais fundo possível de ser alcançado pela visão. O resultado final é a transparência das águas sereníssimas da superfície e a sua beleza estonteante e hipnótica”, explica Rafael Raddi.

Patrícia Claro é nascida em Santiago (Chile). Estudou Desenho e Licenciatura em Artes Visuais na Universidade Católica do Chile. Suas obras já foram expostas em diversas galerias e mostras ao redor do mundo, como Chile, Estados Unidos, China, Bélgica. Saiba mais sobre a artista no site: http://www.patriciaclaro.com.

Serviço: A Segunda Temporada de Exposições 2016 do Museu de Arte Contemporânea estará aberta à visitação de terça a sexta, das 7h30 às 17h30. Sábados, domingos e feriados das 14h às 18 horas. A mostra fica em exposição de 21 de junho a 21 de agosto. A entrada é franca.

Mais informações sobre as mostras e agendamento com escolas para a realização de visitas mediadas com as arte-educadoras do Programa Educativo podem ser obtidos pelo telefone (67) 3326-7449.

O Museu de Arte Contemporânea fica na Rua Antônio Maria Coelho, nº 6000, no Parque das Nações Indígenas. Visite o nosso site (www.marcovirtual.wordpress.com), a nossa página no Facebook (www.facebook.com/marco.museu) ou nos envie um e-mail:[email protected].

Comentários

comentários