‘Ninguém em estado grave deixará de ser atendido na paralisação’, afirma médica

Durante entrevista ao programa Tribuna Livre, da Capital FM, e ao portal Página Brazil, a médica e representante da comissão de greve do Sindicato dos Médicos de Campo Grande, Rosimeire Arias de Lima, afirmou que, por trabalhar na Central de Regulação de vagas da prefeitura, sabe “muito bem quanto sofre um paciente na rede municipal na espera por uma consulta na rede pública” e ainda que “a população precisa de melhores condições de atendimento, por isso entende a paralisação dos médicos”.

Arias, que atua também como coordenadora nas UBS (Unidades Básicas de Saúde) e UBSF (Unidades Básicas de Saúde Familiar) da rede municipal de saúde, argumentou: “Se a população não entendesse as reivindicações dos médicos, já não estaria nos postos e nas ruas protestando?”

De acordo com a integrante da comissão de greve do Sindicato dos Médicos, 30% dos profissionais continuarão trabalhando durante todo o período de greve e “ninguém – em situação de urgência e emergência – deixará de ser atendido”. Durante a entrevista ao programa Tribuna Livre, Arias foi contundente: “Nós não somos assassinos! Nós temos compromisso com a vida da população!”

Silvio Ferreira

Comentários

comentários