“Não vamos tolerar invasões”, afirma Azambuja, durante apresentação do Movimento Brasil Central

Em entrevista coletiva concedida na manhã desta quarta-feira (8), na Governadoria, no Parque dos Poderes, o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Roberto Mangabeira Unger, e o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), apresentaram o Movimento Brasil Central. Durante a coletiva, o governador Reinaldo Azambuja foi questionado sobre como o desenvolvimento de um dos setores que terão prioridade no programa – o da produção rural – poderá ocorrer diante da atual insegurança jurídica gerada pelos conflitos agrários no Estado. “Nós nortearemos todas a nossas ações pelas regras do estado democrático de direito. Nesse contexto não há rico ou pobre, branco, negro ou índio. Nós não vamos tolerar invasões!”

IMG_20150708_104557

A afirmação foi feita logo depois da fala do ministro Mangabeira Unger, que apresentou alguns dos principais pontos do Movimento Brasil Central que preveem “a oferta de apoio técnico dos estados e do governo federal à ‘nova classe média rural’ e define prioridades”.

De acordo com o ministro, ” a realidade econômica – a renda per capita no Centro-Oeste – comprova a vocação vanguardista da região”. O ministro acrescentou ainda que “o foco do Movimento Brasil Central está em cidades médias, onde está a alma regional”. Mangabeira defendeu “uma reforma educacional que aperfeiçoe o Ensino Médio e torne-o mais atrativo aos jovens, ampliando e readequando o ensino técnico-profissionalizante, com a capacitação que atenda às demandas de desenvolvimento do Centro-Oeste” e ajude a região a assumir um maior protagonismo na economia do país.

O Movimento Brasil Central foi lançado na última quinta-feira (2), durante fórum realizado no Goiânia com a participação dos secretários de Planejamento de Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso de Sul e Tocantins. O programa de desenvolvimento definiu a institucionalização do bloco político-econômico do Centro-Oeste, com a proposta de criação de uma agência de desenvolvimento regional, que atuaria em conjunto com a Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).

Silvio Ferreira

Comentários

comentários