Nadadores brasileiros conquistam mais 4 vagas olímpicas

Estádio Olímpico de Esportes Aquáticos, no Rio de Janeiro O Troféu Maria Lenk é o evento-teste da natação para os Jogos Olímpicos Rio 2016. (Foto: Gabriel Heusi)
Estádio Olímpico de Esportes Aquáticos, no Rio de Janeiro
O Troféu Maria Lenk é o evento-teste da natação para os Jogos Olímpicos Rio 2016. (Foto: Gabriel Heusi)

As finais do segundo dia do Troféu Maria Lenk, última seletiva olímpica da natação brasileira, confirmaram neste sábado (16) os quatro atletas que já haviam alcançado índices para participar dos Jogos Rio 2016. Na piscina do Estádio Olímpico de Esportes Aquáticos, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, Etiene Medeiros venceu a decisão dos 100m costas com 1m00s11, pouco acima da marca de 1m00s00 alcançada nas eliminatórias, o recorde do campeonato.

A atleta do Sesi se garantiu no Rio 2016 no estilo com o qual tem “uma relação de amor”, segundo ela. “É muita adrenalina, e um pouco de pressão, que é normal. Entrei mais relaxada de tarde, mas meu objetivo era ter passado forte. No ano passado, nadei na casa dos 59s duas vezes, queria ter feito 59s, mas estou feliz. Estou conseguindo fazer bastante 1m00, é difícil, mas ao mesmo tempo não quero mais estar fazendo. Agora é bastante treino”, disse.

A nadadora já tem índice para os 100m livre e os 50m livre, provas que ela vai nadar, respectivamente, na terça (19) e na quarta (20), e quando deve confirmar a presença nos Jogos também nas duas. E ela pretende dividir a atenção nos treinos: “São três provas que vou nadar nas Olimpíadas. A gente consegue dividir. Sou velocista, quem é velocista consegue dosar dois, três estilos. É só ter um pouco de paciência”. Etiene também superou o índice para os 100m borboleta, mas as vagas ficaram com Daynara de Paula e Daiene Dias.

200m livre e revezamento

João De Lucca venceu a final dos 200m livre melhorando a marca que fez na eliminatória: ganhou o ouro com 1m47s65, e havia feito 1m47s77 mais cedo. Ele garantiu a vaga olímpica com o segundo melhor tempo, já que Nicolas Oliveira nadou para 1m46s97 de manhã. “Nadei um pouco com o ‘freio de mão’ puxado. Já estou pensando muito na prova dos 100m livre. Foi difícil esquecer que daqui um dia eu tenho outra prova muito importante para mim. Mas está carimbado”, disse Nicolas Oliveira.

“Não caiu muito a ficha de que daqui a quatro meses isso aqui vai ser a competição da minha vida, um momento que desde criança eu sempre sonhei. Sou do Rio de Janeiro, moro neste bairro, literalmente eu vou estar representando a minha casa”, comemorou João De Lucca.

O Brasil ainda não tem vaga confirmada no revezamento 4x200m livre nos Jogos Olímpicos – apenas os 12 melhores do Mundial de Kazan 2015 têm a certeza de estar no Rio 2016. Mas as outras quatro vagas serão determinadas por ranking e devem ser divulgadas em junho pela Federação Internacional de Natação (FINA). Atualmente, segundo a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), o Brasil tem grande chance de entrar. Em se confirmando a participação, os dois nadadores que se juntam a João De Lucca e Nicolas Oliveira são Luiz Altamir (1m48s29) e André Pereira (1m48s72), terceiro e quarto melhores tempos entre os brasileiros.

Outras provas do dia

Guilherme Guido nadou duas vezes na casa dos 53s neste sábado nos 100m costas: de manhã, fez 53s10, um centésimo acima do recorde sul-americano que é dele, obtido em Palhoça (SC), na primeira seletiva olímpica, no ano passado. De noite, ele fez 53s25 e confirmou a vaga nos Jogos, já que o índice era 54s36.

“É muito bom voltar a participar das Olimpíadas. Participei em 2008, fiquei fora em 2012, agora estou sendo mais constante. Deu para mostrar que estou na minha melhor forma. Agora é buscar os 52s, que está batendo na trave, e fazendo 52s dá pra fazer bonito na Olimpíada. 52s é garantido na final na minha opinião, para medalha é 52s baixo, então é focar nisso”, explicou Guido.

A melhor nadadora brasileira nos 100m peito foi Jhennifer Alves, com 1m08s31. Ela não bateu o índice da prova (1m07s85), mas caso o país consiga vaga no revezamento 4x100m medley feminino, por ela ter o chamado índice B da FINA nos 100m peito, poderá nadar a prova individual e o revezamento medley no Rio 2016.

“Se eu não conseguisse o índice, queria pelo menos defender a primeira vaga para estar nas Olimpíadas. Vai ser uma ótima experiência, mas vou trabalhar bastante para não ser só uma experiência, para poder fazer um peito histórico. Um tabu quebrado, porque o peito vem muito defasado em Olimpíadas e eu venho me dedicando dia após dia para tentar ser melhor”, disse Jhennifer.

Manuella Lyrio ficou perto, mas com 4m09s48, não atingiu o índice nos 400m livre, que era de 4m09s08. “Foi por pouquinho, mas foi meu melhor, então tenho que ficar satisfeita, e é recorde brasileiro mais uma vez. Estou bem contente”, disse, ao superar a marca que era dela mesma (4m09s96).

Avaliação do estádio

O Troféu Maria Lenk é o evento-teste da natação para os Jogos Olímpicos Rio 2016. Os principais aspectos testados são a área de competição, a ação dos voluntários do esporte e a tecnologia de resultados. Mais atletas brasileiros avaliaram o Estádio Aquático neste segundo dia de competição e falaram da expectativa em vê-lo lotado em agosto.

“É estádio de primeiro mundo, está linda a piscina, espetacular, rápida, e essa arena está demais. Você está rodeado de pessoas, vai ser uma energia muito boa. O pessoal vai estar torcendo por todos os lados, literalmente. Acho que isso pode dar muita força para os atletas brasileiros”, disse João De Lucca.

“Achei bem legal, bem próximo do que a gente imaginava, do que a gente está acostumado lá fora. Acho que a gente vai fazer um evento bacana na Olimpíada”, comentou Guilherme Guido. “Costumo fazer um trabalho mental antes da prova e é bacana você imaginar já o cenário, então só falta um pouco mais de gente e isso vai ser um fator positivo para o Brasil”, acrescentou.

“Eu gosto muito de sair e ver uma torcida. Quando estiver todo mundo aqui vai ser diferente, vai ter mais carioca e brasileiro do que tudo na vida, mas a gente tem que saber lidar”, disse Etiene Medeiros. O evento-teste conta com a presença de amigos e familiares dos atletas, e convidados da organização. Não houve venda de ingressos.

Etiene também falou do calor na instalação. “O estádio está muito bom, a gente está sentindo um pouco a temperatura dentro, creio que em agosto vai estar um pouco melhor. Vira e mexe tem aquele veranico, então vamos rezar pra que não dê isso. Acho que vai estar mais confortável em agosto”.

O diretor executivo da Federação Internacional de Natação (FINA), Cornel Marculescu, informou nesta sexta que a entidade solicitou mais ventilação na área ao redor da piscina, e que a Prefeitura do Rio de Janeiro sinalizou que vai custear as estruturas. O gerente geral de Esportes Aquáticos do Rio 2016, Ricardo Prado, confirmou que o município está realizando um estudo para a montagem dos ventiladores.

Programação do Troféu Maria Lenk 2016

  • Eliminatórias a partir de 9h30
  • Finais a partir de 17h30 até o dia 19, e a partir de 17h no dia 20

Domingo (17/04)

  • 200m livre feminino
  • 200m borboleta masculino
  • 200m medley feminino

Segunda-feira (18/04)

  • 100m livre masculino
  • 200m borboleta feminino
  • 200m peito masculino

Terça-feira (19/04)

  • 100m livre feminino
  • 200m costas masculino
  • 200m peito feminino
  • 200m medley masculino

Quarta-feira (20/04)

  • 50m livre masculino
  • 50m livre feminino
  • 100m borboleta masculino
  • 200m costas feminino
  • 1500m livre masculino
  • 800m livre feminino

Comentários

comentários