Mulheres participam dia 29 de marcha em favor da igualdade de salários

A BPW (Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais) promove no próximo dia 29, em Campo Grande, uma marcha em favor da igualdade de salários.

Campanha foi deflagrada ontem
Campanha foi deflagrada ontem

A marcha, que sairá da sede da OAB e seguirá até a Assembleia Legislativa, onde ocorrerá uma audiência pública para discutir o tema, faz parte da campanha “Trabalho Igual, Salário Igual”.

Encabeçada pela BPW, a campanha foi deflagrada ontem (11), em Campo Grande, como parte de uma série de ações que cobram igualdade salarial entre homens e mulheres no mercado de trabalho.

O evento aconteceu na sede da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso do Sul).

A deputada estadual Mara Caseiro (PTdoB), que comandará os debates no Legislativo, informou que a marcha terá início às 7h, com início da audiência às 9h, no Plenário Júlio Maia.

De acordo com ela, esta é uma oportunidade para que sejam levantados e discutidos os principais problemas que acometem as trabalhadoras, não só no estado, mas em todo o país.

“Sabemos que ainda existem muitas mulheres que recebem salários diferentes fazendo o mesmo trabalho, e isso não pode acontecer. Estou certa de que essa mobilização, que está ocorrendo em todo o Brasil e em mais de 100 países, trará resultados muito positivos. Não podemos ficar de braços cruzados enquanto mulheres desenvolvem coisas maravilhosas no mercado de trabalho e não são remuneradas de acordo”, afirmou a parlamentar.

Segundo Mara Caseiro, dentro desse debate também está inserida a questão do trabalho decente, ou seja, as condições enfrentadas pelas mulheres em todo o Brasil para desenvolver suas atividades laborais.

“Quais as condições que essa mulher tem no trabalho? Como ela está deixando seus filhos, será que ela tem um lugar para acomodá-los, um lugar onde esses filhos sejam bem tratados, e fiquem em segurança? São essas questões que também temos que debater”, complementou.

O primeiro “Equal Pay Day” foi organizado pela BPW Alemanha em 2008, com a participação de 30 cidades, com painéis de discussão e distribuição de sacolas vermelhas, símbolo da campanha. Na Europa, o percentual de salário recebido a menos pelas mulheres é de 17%, no Brasil a média atinge 30%.

As mulheres representam metade da população brasileira e, se forem consideradas apenas as famílias de baixa renda, existem mais chefes de família do sexo feminino do que do masculino. Conforme dados do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), as mulheres comandam 55% das famílias com renda de até um salário mínimo por pessoa.

“São dados como esses que nos movem a trabalhar cada vez mais por todo tipo de igualdade, seja de raça, de gênero, salarial, enfim, é preciso que as mulheres sejam tratadas de igual para igual, sem discriminação, e é isso que desejamos com essa campanha. É esse debate que levaremos para a Assembleia Legislativa no dia 29”, concluiu. Com informações da assessoria.

Comentários

comentários